Cristãos são atacados por ativistas LGBTs durante protesto contra publicidade homoerótica

Os cristãos estavam protestando contra uma publicidade com imagens explícitas de homossexualidade.

fonte: Guiame, com informações do Lifesite News

Atualizado: Domingo, 25 Março de 2018 as 11:15

Um dos cristãos relatou que ele foi apalpado por outros contra-manifestantes. (Foto: Reprodução).
Um dos cristãos relatou que ele foi apalpado por outros contra-manifestantes. (Foto: Reprodução).

O terno, roupa usada por muitos pastores e homens conservadores, se tornou símbolo de protesto de cristãos na Holanda. A marca de roupas Suitsupply acabou incomodando muitos crentes em Jesus com uma propaganda sexualmente explícita, que aparece em cartazes e outdoors.

No passado, a empresa usou fotografias que exploram mulheres nuas ou quase nuas. Dessa vez, eles expuseram homens em poses homoeróticas. Ao todo, foram mais de 5 mil desses anúncios publicados na Holanda.

Para  contrapor tal ação, 10 homens da Stichting Civitas Christiana, organização pró-família holandesa, realizaram uma manifestação na Keiser Karelplein Square, em Nijmegen. Todos usavam ternos.

Em resposta, um grupo de aproximadamente 150 ativistas LGBTs, incluindo membros da Antifa, realizaram um violento contra-protesto. Eles não estavam vestindo ternos. Enquanto a polícia e os políticos olhavam, vários ativistas LGBTs começaram a atingir os manifestantes pró-família.

Uma das ações foi jogar glitter nos olhos dos cristãos. Os jovens de Stichting Civitas Christiana mostravam cartazes dizendo “Casamento de Deus = 1 homem + 1 mulher) e distribuíram panfletos.

"Eles eram hipócritas porque estavam pregando que deveríamos ser tolerantes com eles, mas eles eram muito agressivos", disse August Weber, estudante e membro do SCC. "A polícia teve que intervir muitas vezes".

Lucas Zoonen, outro aluno, disse a um entrevistador da TFP Student Action que ele havia sido esmurrado no rosto por um contra-manifestante. Enquanto os membros da SCC permaneciam em silêncio, permitindo que um porta-voz falasse por meio de um megafone.

Em contrapartida, os ativistas LGBTs e a Antifa lançaram insultos, mísseis e  destruíram seus panfletos. Alguns dos contra-manifestantes foram mascarados. Alguns buzinaram para tentar diminuir o volume do discurso da SCC. Um jovem cuspiu na câmera que estava registrando o caos.

"Você tem certeza de que está se saindo bem quando faz algo agressivo", disse o estudante Jan Zoonen. "E se você se mantiver calmo, sabe que não conseguiria fazer melhor no momento", ressaltou.

Ele foi atacado por uma mulher que derramou glitter sobre sua cabeça e esfregou em seus olhos. Ela foi levada por um policial, enquanto outra mulher gritava "o discurso do ódio não é liberdade de expressão" em inglês.

Jan relatou que ele havia sido apalpado por outros contra-manifestantes. Uma mulher que havia escondido o rosto com uma bandana e óculos de sol, gritava “Deus é gay” e “Ave Satã”.

Duas pessoas foram filmadas se beijando na frente dos manifestantes, claramente explorando sua sexualidade para ofender os outros. “Eles (os contra-manifestantes) gritavam o tempo todo. Eles não estavam realmente abertos para conversas ou debates. Eles estavam com raiva. Eles nos chamavam de fascistas”, disse Weber.

"Precisamos de mais pessoas que se posicionem contra essa LGBT intolerante", ressaltou Weber. "Eu vou para a universidade; Eu tenho que ver isso. Está iluminado, mesmo depois do anoitecer. O protesto e o contra-protesto foram amplamente cobertos pela mídia holandesa.

O Church Militant informou que o Suitsupply perdeu mais de 12 mil seguidores no Instagram desde que a campanha homoerótica começou e que alguns dos seus outdoors foram destruídos.

Confira imagens do momento:

veja também