Cristãos são incentivados a festejar Páscoa em data comum

Cristãos são incentivados a festejar Páscoa em data comum

Atualizado: Quarta-feira, 20 Abril de 2011 as 10:38

O secretário geral do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), pastor Olav Fykse Tveit, exortou os cristãos a dar à celebração da Páscoa deste ano um toque mais ecumênico e a se engajarem na busca de uma data comum para a Páscoa. Nesta ano, a Páscoa das tradições orientais e ocidentais ocorre na mesma data (24 de abril).

Genebra, quinta-feira, 14 de abril de 2011

"Num mundo dividido pela pobreza e pela violência, é importante termos um só testemunho do Cristo crucificado e ressuscitado em ações e palavras", disse Tveit. "Regozijamo-nos que, neste ano, cristãos de tradições orientais e ocidentais irão celebrar a ressurreição do Senhor na mesma data."

A época da Páscoa é calculada a partir do calendário juliano, usado pela maioria das igrejas ortodoxas, ou pelo calendário gregoriano, cristãos de tradições orientais e ocidentais celebram essa data maior do cristianismo em domingos diferentes.

Nos últimos dez anos, a Páscoa caiu cinco vezes na mesma data para todos os cristãos. Mas, no futuro, isso vai ser menos frequente. As próximas coincidências ocorrerão apoenas em 2017 e 2025.

Um trabalho significativo foi realizado, em 1980, no sentido de acordar uma data comum que fosse pan-ortodoxa. Mas sua implementação foi difícil na época, porque muitas igrejas viviam sob regimes comunistas. A proposta foi levada a uma consulta, em 1997, em Alepo, na Síria, promovida conjuntamente pelo CMI e o Conselho de Igrejas do Oriente Médio, que propôs uma forma de calcular a data da Páscoa assim que ela fosse celebrada no mesmo dia em todos os anos.

"Espero que, na próxima década, cristãos de diferentes tradições trabalhem juntos em confiança e responsabilidade mútua para chegar a um acordo sobre uma data comum para a Páscoa, tomando como base o processo previsto no documento de Aleppo," disse Tveit.

Esta semana, o secretário geral do CMI reiterou seu pedido feito em janeiro, durante a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (comemorado no início do ano no hemisfério Norte), para que os cristãos convidem uns aos outros para refeições simples nos 50 dias que seguem à celebração da ressurreição de Jesus Cristo.

"Essas refeições podem ser uma forma poderosa de celebrar o amor de Deus e como nós somos ‘um’ - oferecendo um ao outro um aperitivo do reino de Deus de justiça e de alegria", argumentou Tveit. "É uma maneira de dar um perfil ecumênico à celebração do Senhor ressuscitado", agregou.  

veja também