Cristianismo e o perigo da superficialidade

Cristianismo e o perigo da superficialidade

Atualizado: Terça-feira, 10 Maio de 2011 as 12:39

Obras de superfície elegem políticos mas não conferem autenticidade de obreiro. Me refiro a grandes movimentos, Mega igrejas, multidões, curas, exorcismos e exposição na mídia. Jogadas de efeito conferem grande visibilidade, impressionam a galera e dão lucro. Obras de fé não aparecem na vitrine, não hierarquizam e não canonizam.

Desde o início, a intangível fé salvadora sofreu oposição diabólica através da doutrina da salvação pelas obras. Este tipo de doutrina foi o alicerce em cima do qual diversas formas de compensações foram construídas.

Abraão, conhecido como pai da fé e de um povo que buscava a salvação pelas obras, não cria na eficácia do esforço próprio. Ele não embarcou nesta furada.

"Que, pois, diremos ter alcançado Abraão, nosso pai segundo a carne?" (Romanos 4.1). A resposta não poderia ser mais óbvia.

O mesmo critério é aplicado ao galardão, que premia e bonifica a quem fez hora extra e extravasou, mas não foi movido por impulsos carnais.

Podemos nos envolver tanto com um personagem imaginário, que ações escusas deste mesmo personagem pareçam justificáveis. Coisa do tipo: "Se é para o Reino, tudo vale".

Por mera conveniência, mas de propósito, o senhor deste falso reino chama a si mesmo de "Jesus", mas diferente do original, governa com leis adaptáveis e aceita compensações.

Neste sistema toda ação, inclusive a mentira, que é de paternidade duvidosa, se justifica, caso promova uma boa causa. No país das maravilhas cada um tem a sua interpretação particular das Escrituras.

Alguns "executivos religiosos" apresentaram o seu currículo para Jesus: "Em teu nome expulsamos demônios, distribuímos bens entre os pobres, etc, etc, etc" (Mateus 7). A lista de feitos era longa, e segundo eles, faria com que a balança pendesse mais para o seu lado bom do que para o lado mau.

A resposta do Mestre foi curta e grossa: Não vos conheço!

O nome de Cristo, se usado com dramaticidade, parecerá uma documentação espiritual capaz de convencer a quem não possui instrumentos de detecção de última geração.

Ubirajara Crespo é pastor, escritor, conferencista, editor e diretor da Editora Naós.

Visite o Blog sob Nova Direção -  http://sob-nova-direcao.blogspot.com/

veja também