Cristianismo tem forte crescimento no Vietnã e governo reage com leis contra a igreja

O estudioso Seb Rumsby disse que 40% do povo hmong é cristão, no Vietnã.

fonte: Guiame, com informações do Portas Abertas

Atualizado: Quarta-feira, 22 Novembro de 2017 as 5:34

Pastor Ban (de terno) com a congregação de sua aldeia. (Foto: Seb Rumsby).
Pastor Ban (de terno) com a congregação de sua aldeia. (Foto: Seb Rumsby).

Seb Rumsby é um estudioso acadêmico. Ele escreveu um artigo para a revista on-line The Diplomat, que cobre a região Ásia-Pacífico, sobre o crescimento do cristianismo entre o povo hmong no Vietnã. Segundo ele, do total de um milhão de hmongs, 400 mil são cristãos. Com isso, fica difícil ignorar o impacto da mudança religiosa na vida social, política e econômica da região.

Percebendo essa evolução, o governo do Vietnã reagiu de forma pesada, publicando uma propaganda anticristã, além de permanecer com as políticas restritivas, tornando quase impossível as igrejas serem registradas.

A nova lei de crença e religião deve começar a vigorar em janeiro. De acordo com o governo, a nova medida vai ajudar a administrar as questões religiosas ao simplificar o processo de registro das igrejas. Apesar disso, um membro Comitê de Direitos Humanos do Vietnã disse que a nova lei vai, na verdade, aumentar a repressão e controle contra a igreja, que por sua vez já vive sob pressão.

Contexto histórico

Foi no final da década de 80 que o cristianismo começou a se espalhar entre os hmong. Eles vivem nas regiões noroeste e central do Vietnã. Isso aconteceu por meio de um programa de rádio na língua deles que era transmitido de Manila (Filipinas). A ação reverberou em uma marcante transformação religiosa nas últimas três décadas. É o que diz o estudioso Seb Rumsby.

Um analista do Ministério Portas Abertas afirma que os grupos étnicos como os hmong “são muito protetores de seus costumes e regiões, e têm bastante autoridade no governo local. Eles veem o cristianismo basicamente como uma ameaça, como algo que muda sua cultura, sua herança”, ressalta.

Rumsby descreve como os cristãos se abstêm do álcool, o que é visto dentro da tribo como algo importante para a criação de laços entre os homens. Os cristãos também não participam de rituais e cerimônias religiosas tradicionais. “Mas muitos xamãs e não cristãos hmongs temem que a cultura esteja sendo perdida”, finaliza.

veja também