“Cuidado com a murmuração, pois ela te faz esquecer das promessas de Deus”, alerta pastor

O pastor Joel Engel faz um alerta sobre o hábito de reclamar, fazendo uma comparação com o que houve com o povo de Israel após sair do Egito.

fonte: Guiame, Luana Novaes

Atualizado: Quinta-feira, 16 Julho de 2020 as 3:46

(Foto: Getty Images/iStock/Fizkes)
(Foto: Getty Images/iStock/Fizkes)

Reclamar pode ser um hábito presente no seu dia a dia sem ao menos você notar. No entanto, a murmuração foi um pecado que paralisou o povo de Israel no deserto por anos e, como consequência, ali eles pereceram.

Em entrevista ao Guiame, o pastor Joel Engel faz um alerta: cuidado com a murmuração, pois ela te faz esquecer das promessas de Deus.

“A Bíblia nos mostra que aqueles que têm a palavra bendita, a língua santa, alcançam as promessas de Deus”, explica. “Mas assim como Deus criou todas as coisas através de Sua palavra, a destruição também vem através das palavras das pessoas”.

“Esse povo que saiu do Egito com as mãos cheias de riquezas e que viu tantos milagres, criticou Moisés, não creu nas promessas de Deus e atraiu com suas palavras a destruição”, acrescenta o pastor.

Confira abaixo a entrevista completa:

Guiame: Como as palavras negativas, como críticas e reclamações, podem nos afetar?

Joel Engel: As palavras negativas podem nos afetar e muito. Vemos um exemplo disso na Bíblia no livro de Números, quando o povo de Israel estava próximo de chegar à Terra Prometida depois de saírem do Egito. Na primeira vez que Moisés desceu do monte, esse povo que havia visto o poder de Deus murmurou. Eles reclamavam porque Moisés estava demorando e criaram um bezerro de ouro, sendo tomados pela idolatria. E tudo começou com a murmuração.

Eles murmuravam de tudo, desde a falta de tempero até a falta das coisas que eles tinham no Egito. Isso causou uma grande desgraça naquela travessia. Devido as murmurações, a travessia que deveria levar dias acabou sendo prolongada para 40 anos; e todas aquelas pessoas pereceram no deserto por causa da murmuração.

Em Números 13, Moisés envia doze líderes de cada tribo de Israel para espiar Canaã. Eles voltaram fascinados com os grandes frutos que encontraram, mas — o “mas” é que é o problema — havia gigantes, as cidades eram fortificadas, e eles começaram a difamar a terra, dizendo que não iriam conseguir.

As palavras que eles trouxeram contaminou toda a congregação e eles choraram muito naquela noite. Então eles receberam a sentença de perambular por 40 anos sem conseguir ver a Terra Prometida. Ou seja, para cada dia de reclamação, Deus deu um ano de peregrinação pelo deserto, como castigo pela murmuração.

Este tipo de difamação é chamada no hebraico de “Lashon Hará”, que significa “língua má”. Essa língua má gera coisas malignas. E “Lashon Hakodesh” significa “língua santa”, que é a Palavra de Deus. Observe que Moisés trouxe a Palavra de Deus, com 613 mandamentos para que eles falassem, mas eles resolveram falar contra a palavra de Deus.

Guiame: Quais são as consequências da murmuração?

Joel Engel: Dez líderes causaram desespero e incredulidade no povo, porém dois líderes, Josué e Calebe, resolveram falar de acordo com a promessa de Deus. Estes dois foram os únicos de 20 anos para cima, que entraram na Terra Prometida. Os demais morreram no deserto, profetizando sua própria derrota, pois eles disseram que se viam como gafanhotos — e gafanhotos morrem no deserto.

A palavra negativa daqueles homens atraiu sua morte. Há uma explicação sobre isso em 1 Coríntios 10:9-10 diz: “Não ponhamos Cristo à prova, como alguns deles fizeram e foram mortos pelas serpentes. Não fiquem murmurando, como alguns deles murmuraram e foram destruídos pelo exterminador”.

Assim como Deus criou todas as coisas através de Sua palavra, a destruição também vem através das palavras das pessoas. Esse povo que saiu do Egito com as mãos cheias de riquezas e que viu tantos milagres, criticou Moisés, não creu nas promessas de Deus e atraiu com suas palavras o exterminador.

Guiame: Quais são as bênção prometidas por Deus àqueles que não murmuram?

Joel Engel: Assim como Josué, que creu na promessa de Deus, aquele que declara a palavra de Deus pode crer nessas promessas: “Ninguém conseguirá resistir a você, todos os dias da sua vida. Assim como estive com Moisés, estarei com você; nunca o deixarei, nunca o abandonarei”. (Josué 1:5)

Mas há também alguns mandamentos: “Somente seja forte e muito corajoso! Tenha o cuidado de obedecer a toda a lei que o meu servo Moisés lhe ordenou; não se desvie dela, nem para a direita nem para a esquerda, para que você seja bem sucedido por onde quer que andar. Não deixe de falar as palavras deste Livro da Lei e de meditar nelas de dia e de noite, para que você cumpra fielmente tudo o que nele está escrito. Só então os seus caminhos prosperarão e você será bem sucedido”. (Josué 1:7-8)

A Bíblia nos mostra que aqueles que têm a palavra bendita, a língua santa, alcançam as promessas de Deus.

Guiame: A Bíblia diz que a boca fala do que o coração está cheio. Você acredita que antes de mudar as palavras, precisamos analisar o que há dentro de nós?

Joel Engel: Sim. É do nosso coração que procedem as coisas boas e ruins. Quando o coração está cheio de queixas, a boca vai murmurar. Quando não praticamos gratidão, quando não temos uma vida com Deus, nosso coração é corrompido pela má inclinação da carne. 

Nós precisamos primeiramente ter uma conversão, uma mudança de coração e pensamento, e começar a dar graças em tudo o que nos acontece, porque todas as coisas cooperam para o bem daquele que está em Cristo Jesus.

Guiame: Qual a relação entre nossas palavras e a batalha espiritual?

Joel Engel: Há uma guerra que é travada todos os dias em nossa vida. Quando Jesus foi preso e sofreu as afrontas, ele não abriu sua boca. Há momentos da batalha que é melhor estar em silêncio do que falar besteira. Daniel orou e jejuou por 21 dias, pedindo que Deus libertasse o povo do cativeiro. Havia uma guerra espiritual para que a resposta do anjo conseguisse chegar. Todos os dias estamos em uma batalha espiritual.

No final dos 21 dias, o anjo traz a resposta de oração a Daniel e diz: “Suas palavras foram ouvidas, e eu vim em resposta a elas” (Daniel 10:12). Nesse período de 21 dias, Daniel declarou apenas a palavra de Deus. Ele não usou palavras negativas, não murmurou, não reclamou nenhuma vez. 

Quando falamos a palavra de Deus, atraímos anjos bons enviados por Deus. Quando falamos murmuração, atraímos o anjo destruidor, atraímos morte. Para vencer essa batalha espiritual, além da oração e do jejum, nós precisamos falar a palavra de Deus. Esse é o maior exemplo que podemos ter. Os espias falaram negativo e pereceram, junto com toda sua família. Mas Josué e Calebe venceram, usando as palavras de Deus.

Em Daniel, Deus mostra explicitamente o que as nossas palavras fazem no mundo espiritual. Quando nós falamos e oramos a palavra, nós vencemos a batalha espiritual e há resposta de Deus, há vitória completa.

Por isso que nós temos o hábito de orar, jejuar e declarar a palavra. Lashon Hará é um dos piores pecados que existem, porque é como uma lepra. As pessoas que murmuram acabam ficando leprosas.

O conselho que eu deixo é: nunca murmure. Nós devemos falar entre nós com salmos, hinos e testemunhos. Como diz Apocalipse 12:11, “eles o venceram pelo sangue do Cordeiro e pela palavra do testemunho que deram”. 

veja também