Decisão provisória mantém frase religiosa nas cédulas do Real

"Deus seja louvado" continua nas cédulas do Real

Atualizado: Segunda-feira, 3 Dezembro de 2012 as 7:56

O pedido feito pelo Ministério Público Federal (MPF) em São Paulo, que pediu a retirada da frase "Deus seja louvado" das cédulas do Real alegando que o Estado brasileiro é laico e deve respeitar religiões minoritárias foi negada pela juíza federal Diana Brunstein.

A decisão, da 7ª Vara Federal Cível de São Paulo, é provisória e pode ser revogada ou modificada. Nela, a juíza federal Diana Brunstein disse que não encontrou oposição à grafia da frase nas notas. “De fato, não foi consultada nenhuma instituição laica ou religiosa não cristã que manifestasse indignação perante as inscrições da cédula e não há notícia de nenhuma outra representação perante o Ministério Público neste sentido”, diz no texto. 

Para Diana Brunstein, a menção de Deus nas cédulas “não parece ser um direcionamento estatal na vida do indivíduo que o obrigue a adotar ou não determinada crença”. Na argumentação, ela cita ainda feriados religiosos e outras manifestações amplamente aceitas. 

 

Com informações da revista Època

veja também