Desistir de lutar nem sempre é garantia do fim

Desistir de lutar nem sempre é garantia do fim

Atualizado: Segunda-feira, 18 Novembro de 2013 as 12:48

desistirDesistir de lutar nem sempre é garantia do fim. Muitos desistem de lutar pela vida, por uma melhora na vida profissional, ou pela continuidade do casamento. Alguns desistem de tentar salvar um filho de caminhos de morte que eles escolhem. Não se trata de fraqueza. Acontece que em alguns casos não há mesmo mais nada a fazer. O único jeito é render-se ao destino, e aguardar. 
 
Foi o que aconteceu com Hagar, a mãe de um jovem chamado Ismael. Após ter sido abandonada pelo pai da criança com apenas um pouco de água e um pedaço de pão, após andar errante pelo deserto e vir a fome decretar sua derrota final, ela desistiu. Assentou- se e esperou pelo pior. 
 
Quando as forças do ser humano se vão por completo chega a hora de Deus intervir em seu favor. A porta do fim é muito próxima da porta da esperança de um novo começo. Deus age de diversas formas e, por vezes, depois que consideramos como o fim de tudo. “porque para Deus não haverá impossíveis em todas as suas promessas” (Lc 1.37).
 
“E, afastando- se, foi sentar- se defronte... porque dizia: Assim, não verei morrer o menino; e... levantou a voz e chorou.” Gn 21.16
 
 
- Marcelo Coelho
via Cada Dia
 

veja também