Deus é mais aterrorizante do que a morte, afirma pastor

Ray Comfort explica que a morte é meramente o oficial de prisão por quem somos algemados e levados até o Juiz do Universo.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Quarta-feira, 30 Janeiro de 2019 as 2:50

Ray Comfort faz alerta sobre a realidade do inferno. (Foto: Reprodução/Wikipedia)
Ray Comfort faz alerta sobre a realidade do inferno. (Foto: Reprodução/Wikipedia)

Em um recente artigo, o pastor e evangelista Ray Comfort diz que os cristãos precisam aprender sobre a realidade do inferno, ignorada por eles por causa das pregações que não falam do assunto como deveria. Ele faz comparações entre o aprendizado pela experiência e o aprendizado pelo alerta.

“É triste que uma criança tenha que aprender sobre a vida da maneira mais difícil. Muitas vezes tem que tocar uma torradeira quente para sentir a dor de uma queimadura. É uma lição difícil, mas importante. Se ele sentir dor, o medo a impedirá de tocar a torradeira novamente”.

O pastor usa essa analogia para falar que a maioria dos cristãos se comporta como crianças quando precisa entender sobre o medo. E que no caso da eternidade, especialmente do Inferno, isso não pode acontecer porque depois de morto não há como reverter a situação.

“Ainda somos crianças no entendimento quando se trata do que a Bíblia chama de ‘o rei dos terrores’ citado em Jó 18:14”, ele diz. “Essa é a maneira bíblica de descrever o maior pesadelo que você e eu teremos – do qual nunca acordaremos. É a nossa morte”.

Autor de mais de 80 livros, Ray Comfort frequentemente faz evangelismo focado em ateus. Ele diz que apesar do medo que todos têm da morte, existe ainda algo mais aterrador que ela, que é o próprio Deus com Seu julgamento aos homens.

“No momento em que qualquer pecador culpado é engolido pela morte, ele enfrenta algo ainda mais aterrorizante: Deus. A morte é meramente o oficial de prisão por quem somos algemados. Não há como fugir disso, e seu propósito é nos arrastar diante do Juiz do Universo para darmos conta dos crimes que cometemos contra Sua Lei”.

Ele continua citando Hebreus 10:31 – Horrenda coisa é cair nas mãos do Deus vivo. “Temeroso, porque esse Dia será o dia do nosso julgamento, quando toda a imaginação secreta, toda palavra falada, toda ação feita na escuridão surgirá como evidência de nossa culpa”.

Comfort explica que isso acontecerá diante do trono de um Deus santo. “Ele então sentenciará os pecadores culpados. E o julgamento será a eterna condenação em Sua prisão – um lugar chamado Inferno, do qual não haverá liberdade condicional”.

Jesus é a verdadeira esperança

Também cineasta e diretor de filmes cristãos, Comfort lembra que Bíblia diz que o rei dos terrores foi destronado no momento em que Jesus clamou: “Está consumado!” (João 19:30).

Ele explica que Jesus pagou nossa dívida com a Lei e depois ressuscitou dos mortos, triunfando sobre a sepultura. “A Bíblia diz em Atos 2:24 que Deus O levantou, tendo soltado as dores da morte, porque não era possível que Ele fosse segurado por ela. E agora o Deus Todo-Poderoso pode dispensar nosso caso porque a multa foi paga por nós naquela cruz”.

O pastor diz que o mundo levaria os cristãos mais a sério se falassem a verdade sobre a palavra “Inferno”. Ele diz que a igreja contemporânea usa eufemismos e outras palavras, como “separação eterna de Deus”.

O pastor critica que muitas pregações também só falam coisas que não alertam sobre a eternidade, mas se prendem à vida terrena. “É muita conversa assegurando aos pecadores que Jesus resolverá seus problemas, que Deus tem um plano maravilhoso para eles, e eles recebem promessas de prosperidade, paz e alegria”, exemplificou.

Comfort diz que essas apresentações do evangelho não alarmam nem despertam os pecadores, que correm o risco de serem engolidos pelo “rei dos terrores”, tendo recebido uma falsa esperança por causa do falso evangelho que abraçaram.

“Que Deus nos dê coragem para falar a verdade em amor. Que o mundo se assuste quando nos ouvirem ministrar sobre o pecado e a aterradora realidade do Inferno. Que eles deixem de ouvir sobre um falso deus que não tem senso de justiça ou verdade, e saiam com uma falsa esperança de que são salvos da ira quando não são”, concluiu.

veja também