"Deus odeia o Divórcio", frisou Josué Gonçalves em ministração do Pastoreio de Famílias

"Deus odeia o Divórcio", frisou Josué Gonçalves em ministração do Pastoreio de Famílias

Atualizado: Sábado, 15 Novembro de 2008 as 12

  Por Adriana Amorim

Na última sexta-feira, dia 14 de novembro, o pastor Josué Gonçalves trouxe para a quinta edição do congresso "Pastoreio de Famílias", que aconteceu em Santos (SP), entre 13 e 15 de novembro, a ministração "Divórcio". De forma veemente, o pastor fez questão de frisar: "Deus odeia o divórcio", embasado na passagem bíblica de Deuteronômio 24:1-3.

A resposta de Jesus para o divórcio

Sua ministração percorreu a narrativa de Mateus 19, quando Jesus é questionado pelos fariseus: "É lícito ao homem repudiar sua mulher por qualquer motivo?". Para contextualizar a passagem, o pastor explicou que o pensamento judaico seguia três linhas diferentes em relação a questão. Uma delas afirmava que o divórcio era permitido em qualquer situação, outra dizia que ele era correto somente diante de um adultério e a última apontava que o homem deveria permanecer só, uma visão sobre o celibato. A resposta de Jesus foi fundamentada nos propósitos divinos para a família, explicados por Gonçalves: "homem e mulher foram criados para benefício mútuo" e devem seguir "o princípio do par: macho e fêmea", "o casamento é mais do que uma exigência social, física ou emocional, ele é uma instituição divina". O pastor apontou que a natureza do matrimônio indica que homem e mulher constituem "uma só carne", que "só se desfaz do corpo com a morte", o que esclarece o objetivo de Deus para o casamento. "Todas as outras relações humanas devem ser consideradas secundárias", apontou.

Banalização do Casamento

Para Josué Gonçalves, a sociedade procura banalizar o casamento e criar regras basedas em "exigências e conveniências humanas". O pastor, aconselha com freqüência casais que já estão decididos pelo divórcio, não buscam a resposta de Deus: "Querem uma resposta que minimize aquilo que a Bíblia não minimiza". Ele citou estatísticas que justificam a pouca valorização do casamento no mundo. Segundo o pastor, os índices de divórcio nos EUA, Dinamarca e Bélgica, variam de 35% a 65% dos casamentos realizados. Na Inglaterra, o número chega a 40%. No Brasil, em 2005 foram realizados mais de 150 mil divórcios, o que representou um para cada quatro casamentos.

Para o pastor, o divórcio é uma evidência clara de pecado: a dureza de coração. Ele exemplificou com justificativas que recebeu de homens e mulheres em aconselhamentos. Frases como: "Ele não me deixava sair sozinha", "Acabou o amor, o encantamento e a paixão", "Não nos beijarmos mais foi o início do fim", "Eu comecei a progredir na profissão e ele não deu conta do meu brilho" ou "Nunca achei que casamento fosse duradouro. "Ninguém é de ninguém", "Ela queria comandar demais. Eu aceitei e não agüentei", "Morávamos em cidades separadas", "Casamos um pouco rápido demais".

Causas do divórcio

O pastor reconhece que as pessoas são as grandes causadoras desta "apostasia  do amor": "A mulher é o espelho do marido, o marido o espelho da mulher. O problema muitas vezes não é o espelho, mas de quem não consegue enxergar-se no espelho". O adultério também é, segundo o pastor, um dos grandes desestruturadores do casamento: "ele transforma rios de água viva em esgoto". No entanto, Gonçalves afirma que é necessário mais do que fidelidade em um casamento, é preciso amizade.

Gonçalves pediu aos participantes: "Diga a três pessoas: 'Deus odeia o divórcio'...Se dependesse de Deus não haveria divórcio". Ele apontou que as conseqüências do divórcio são desastrosas, "um ato de violência" que atinge toda a família, prejudica a educação dos filhos e traz sentimentos de ansiedade, culpa, medo, depressão, ira, amargura e frustração [...]O divórcio é o colapso dos sonhos [...]Ele sujeita o casal a uma guerra "territorial, fria, verbal e física". "O divórcio destrói o ideal de Deus para a família".

Ao final, retomou a afirmação: Quem é casado aqui levante a mão? Diga: Deus odeia o divórcio. O palestrante pediu aos participantes que curvassem sua cabeça e todos oraram, especialmente Gonçalves, decidido a mostrar aos presentes que esse não é realmente o desejo de Deus.

Conselhos

Gonçalves apontou os atributos para um bom casamento, descritos em Cantares 4:12 e 8:10, segundo as pessagens, o matrimônio deve ser um jardim fechado, ter amizade, santidade, submissão devocional e apreciação mútua.

Em entrevista ao portal Guia-me, Gonçalves esclareceu que antes de pensar em separação, é necessário buscar a mudança: Eu acho que toda solução de problema depende de comunicação e  negociação, porque dentro de uma relação sadia as pessoas aprendem a se comunicar, a negociar e a esclarecer dia a dia qual é o papel dele, qual o papel do outro [...] o que se resume mais ou menos numa frase que eu tenho: 'o desejo de mudar é uma grande prova de amor'. As pessoas que se amam nunca param de crescer nesse processo de mudança para melhor".

Para quem pensa em divórcio o pastor aponta: quando alguém me diz assim: Casei com a pessoa errada, mas será que você se preocupou em ser a pessoa certa? Qualquer um pode dar certo com quem se casa, depende de como essa pessoa está aberta para se adequar, para aprender, para mudar o que seja necessário, para se ajustar. Para quem sonha em casamento, Gonçalves afirma: Começar com oração, buscando sempre a vontade de Deus, daqueles que sabem mais, eu penso que quem começa assim começa melhor.

Opinião de participantes

Para o casal Germano e Mirian Guimarães, de São José dos Campos, a ministração colaborou para reafirmar a eles que seguir os princípios de Deus é o melhor caminho para um casamento estruturado e feliz.

Germano

"O que mais me deu momentos de reflexão nessa palavra é que nosso lar é um jardim fechado do Senhor, que precisa ser adornado, protegido. Eu vejo que as famílias no geral, até mesmo as evangélicas, abrem o seu lar de uma maneira que o Senhor não quer. O Senhor quer que a gente abra o nosso lar para a palavra Dele, não para as pessoas"

Mirian

"Eu vejo que já veio confirmar tudo aquilo que a gente já guarda dentro do coração da gente. Porque muitas vezes ouvimos tantas coisas, mas os princípios bíblicos estão dentro da gente e isso aí veio confirmar que nós estamos no caminho certo. Lutando e levantando uma bandeira das famílias nesta nação. Porque, muitas vezes, ouvimos que o casamento é uma instituição falida e aqui aprendemos que não, que a instituição foi feita por Deus. E que nós devemos lutar por isso. E eu creio que Deus é poderoso para mudar o que o mundo tem pregado".

 Foto: Getúlio Camargo

veja também