É difícil subir uma escada pulando degraus

É difícil subir uma escada pulando degraus

Atualizado: Terça-feira, 4 Outubro de 2011 as 10:43

Quando criança, morávamos em uma pequena casa com um grande porão. Mamãe tornou o porão confortável com um tapete que cobria todo o chão de concreto e uma poltrona e cadeira com as quais podíamos brincar. Meus irmãos e eu brincávamos muito lá embaixo, e era ali que guardávamos a maior parte de nossos brinquedos e as coisas que eram valiosas para nós.

Subíamos e descíamos aqueles degraus de madeira diversas vezes, e logo eles começaram a ficar bastante gastos e sujos. Mamãe resolveu pintá-los. Isto foi na época antes que existissem tintas de secagem rápida, e levaria um dia inteiro para a tinta secar.

Algumas horas antes de Mamãe começar a pintar, ela nos disse para levar para cima tudo o que estava no porão que pudéssemos querer durante o dia. "Pensem bem", ela disse, "e certifiquem-se de trazer para cima tudo aquilo com que irão querer brincar."

Nós três - eu tinha 10 anos, meu irmãozinho Robby tinha 6, e meu irmão mais velho era maior que eu - descemos aos empurrões e juntamos as coisas de que gostávamos. Depois Mamãe pintou a escada.

Não foi muito tempo depois de ela ter terminado que me lembrei de algo mais de que precisava. Sim, eu precisava mesmo daquilo! Era algo muito importante, e eu precisava já!

Fui até o topo da escada e analisei os degraus. Minhas pernas eram compridas, e eu era bom em descer quatro degraus de cada vez. Assim, pensei, "Se me segurar no corrimão, só vou precisar tocar a beiradinha de três degraus. Isso só deixaria três pequenas marcas na tinta fresca. Mamãe provavelmente nem perceberia", pensei comigo. Então desci a escada como tinha planejado.

Olhei para trás, para os degraus. Nem dava para perceber, pensei, bem satisfeito comigo mesmo.

Achei meu tesouro esquecido e virei-me para voltar a subir a escada. Êpa! Descer era uma coisa; subir seria bem diferente. É difícil subir uma escada pulando degraus. Olhei as janelas do porão. Eram muito pequenas para passar por elas. "Por que não pensei nisto antes?", censurei a mim mesmo.

Quando cheguei ao topo, meus sapatos estavam grudentos com a tinta e as marcas de minha subida ficaram bem evidentes atrás de mim. Tirei meus sapatos e corri para meu quarto onde me enfiei sob as cobertas da cama e esperei. Estava triste e arrependido por ter estragado a pintura de Mamãe.

As lágrimas já começavam a escorrer por minha face quando escutei a voz irada de minha mãe. "Robby! Por que você desceu a escada?" perguntou brava a meu irmãozinho.

"Eu não desci, Mamãe," respondeu ele. Mas já que Robby parecia estar sempre se metendo em confusão, Mamãe não acreditou nele. Aí escutei Robby chorando quando ela começou a castigá-lo.

"Oh não!, pensei. "Não posso deixar Robby levar meu castigo... não é justo!" Corri para fora de meu quarto, chorando, "Ele não fez isso, Mamãe. Fui eu! É tudo culpa minha."

Você já teve alguém levando o castigo por coisas que você fez de errado? O melhor Amigo que você já teve foi castigado para que você ficasse livre do castigo por causa de seus pecados. E que castigo terrível Ele quis levar por você! Ele foi pregado naquela terrível cruz no monte Calvário, e então, durante aquelas três horas das mais negras trevas, Ele foi abandonado por Deus, que lançou sobre Ele o castigo por todos os pecados de qualquer pessoa que viesse a aceitá-Lo como seu Salvador.

Deus enviou Seu amado Filho a este mundo, como um homem, para morrer por nós, para que pudéssemos ser resgatados. Gálatas 3:13 nos diz que "Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-Se maldição por nós." "[Deus] O fez pecado por nós; para que nEle fôssemos feitos justiça de Deus." (2 Coríntios 5:21).

Você já chegou a pensar, "Jesus não pecou; eu pequei; sou eu o transgressor, não Jesus; Ele não fez nada de errado"? Ele ama muito você e está oferecendo a libertação do castigo por seus pecados. Você irá aceitar Sua oferta?

"Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres." (João 8:36).

veja também