Diretor da Expoevangélica destaca trabalho pela unidade: “Não temos bandeira de igreja”

Em entrevista exclusiva ao Guiame, o pastor Francisco Everton destacou os propósitos do grande evento que movimenta Fortaleza.

fonte: Guiame, por João Neto

Atualizado: Quinta-feira, 28 Junho de 2018 as 1:06

Pastor Francisco Everton é o idealizador e diretor da Expoevangélica, que já ocorre há 13 anos em Fortaleza. (Foto: Levi Facó/Guiame)
Pastor Francisco Everton é o idealizador e diretor da Expoevangélica, que já ocorre há 13 anos em Fortaleza. (Foto: Levi Facó/Guiame)

Na próxima quarta-feira, 4 de julho, Fortaleza receberá um dos maiores eventos evangélicos do Brasil, a Expoevangélica 2018. Colocada já entre as maiores feiras de artigos evangélicos do país, sua programação conta com cerca de 80 apresentações de cantores evangélicos, além de um grande variedades de estandes de ministérios, rádios, gravadoras, projetos sociais e muito mais.

O idealizador e diretor da Expoevangélica destacou que toda essa movimentação tem um propósito muito maior do que atrair pessoas para shows e conhecer negócios gerenciados por profissionais cristãos. Em entrevista exclusiva ao Guiame, o pastor Francisco Everton destacou que o evento tem um forte propósito social e evangelístico, que se manifesta na ousada meta de arrecadação de alimentos não perecíveis para este mês: 30 toneladas. As doações já têm o seu destino certo, que são projetos sociais atuantes em todo o Ceará e até mesmo na África.

Confira abaixo a entrevista na íntegra:

Portal Guiame: Mais que entretenimento e negócios, a Expoevangélica tem conquistado uma relevância social e também evangelística, devido ao seu apoio a missionários. Como você acredita que os visitantes da feira têm visto este propósito do evento e qual a importância das pessoas continuarem doando os alimentos não perecíveis à entrada do evento?

Pastor Everton: Na verdade, a feira acabou tomando um direcionamento e proporção que nem nós imaginávamos. Essa ajuda a projetos sociais começou com apenas uma entidade, que era a Associação Ebenézer, mas isso foi crescendo rapidamente, de uma forma tão grande que é até difícil de explicar. Nós já ajudamos oficialmente quatro projetos sociais e há outros que estão entrando na relação de associações que serão ajudados. Isso está se tornando muito grande em Fortaleza e no estado do Ceará, porque cada vez mais projetos estão nos procurando para receber esse apoio e nós estamos trabalhando para fazer o melhor a cada edição.

Então, os projetos são: Associação Ebenézer [casa de recuperação de dependentes químicos], Cidade Criança [que atende a mais de 400 crianças carentes de Fortaleza], um projeto que atende crianças na África e os missionários do sertão. Quando eu falo em missionários do sertão, me refiro a pessoas que estão evangelizando no sertão cearense e isso independe de denominação. Além de receber as doações para suas próprias famílias, eles dividem esses alimentos com pessoas carentes de sua região. Essas doações foram fundamentais para ajudar essas pessoas durante os quatro anos de seca que o Ceará sofreu.

Isso se tornou uma característica muito forte da feira, porque nós deixamos de receber o valor do ingresso dos visitantes para que elas levem esses alimentos a serem doados. O que está precisando é que as pessoas continuem entendendo a importância de que isso não é apenas a troca de um ingresso para entrar no evento, mas sim uma importante doação. É uma boa oportunidade dos pais ensinarem seus filhos desde cedo a fazerem o bem a quem precisa. Desta forma, a criança aprende a dizimar, ofertar e fazer missões com essa doação. Por que ela não pode ir à África evangelizar, mas o quilo de alimento que ela doou vai chegar lá para alimentar outras crianças que sentem fome.

Guiame: Como esses alimentos são uma doação, se o visitante quiser levar mais de um quilo de alimento por pessoa, a organização também pode receber essa oferta?

Everton: Oficialmente, o ingresso pode ser trocado por um quilo de alimento a cada dia que o visitante quiser entrar. Porém quem quiser doar mais, também será muito bem-vindo. Há muitos irmãos que acabam doando fardos de alimentos, porque entenderam que o intuito é ajudar a quem precisa.

Essa iniciativa de doar os alimentos aos projetos sociais, a organização da feira simplesmente se colocou à disposição para recebê-los, mas também já há uma coordenação designada para cuidar da distribuição dessas doações. O pastor Batista e o irmão Neemias estão cuidado desta parte.

Guiame: Uma novidade desta edição da Expoevangélica será a organização de momentos de oração em coletivo pelo Brasil. Como isso acontecerá e qual sua expectativa sobre esse momento?

Everton: A Ordem dos Ministros Evangélicos do Ceará (ORMECE), representada pelos pastores Francisco Paixão e Silvério, irá promover um momento de hora em hora dentro da feira.A cada momento, levantaremos um clamor pela nação, devido a esse momento de corrupção e violência extrema que estamos vivendo.

Nós vamos orar por isto dentro da feira e é aí que está a importância desse momento: todos estarão clamando com um só objetivo, um só propósito: a cura da nossa nação.

Guiame: Nas últimas edições, a adesão do público foi fenomenal. Como a equipe organizadora está planejando a administração da multidão que deve comparecer para os quatro dias de evento este ano?

Everton: Nós já adotamos um procedimento para agilizar o cadastramento antecipado dos visitantes online pelo nosso site, até o dia 03 de julho. Além disso, nos dias do evento, haverá um guichê exclusivo para o cadastramento de pastores e líderes de ministérios e suas famílias. Se você é líder ministerial e não recebeu seu crachá antecipadamente, pode pegar seu crachá nesta fila exclusiva.

Estamos recebendo já antecipadamente por email os nomes dos ministérios que estão confirmando suas participações para a nossa coordenação, e estamos providenciando esses crachás. Na quarta-feira [primeiro dia do evento] também já estaremos com inscrições aberta presencialmente, mesmo que a abertura oficial da feira esteja programada somente para o período da tarde. Isso tudo é importante para agilizar a entrada na feira e evitar o acúmulo de filas.

Guiame: A polarização na internet está cada vez mais notável nas redes sociais e isso também tem atingindo muitas denominações evangélicas, que focam mais em suas diferenças que na unidade em si. Como você acredita que a Expoevangélica tem trabalhado para melhorar este cenário?

Everton: Quando a feira foi criada, nasceu de um propósito que Deus criou no meu coração para trabalhar pela unidade da Igreja. Você vê muitos irmãos que não tinham a oportunidade de participar de programações fora de suas congregações, porque cada denominação se regionaliza e fica muito presa às suas programações. Mas a feira quebra esse tabu. Vemos pastores de diferentes ministérios se encontrando, irmãos de denominações diferentes se encontrando, jovens e adolescentes de outras igrejas se conhecendo e isso é muito importante. Então, o ponto fundamental é que a Feira não tem bandeira de igreja e quebra as barreiras que possam existir entre denominações.

De 4 a 7 de julho, no Centro de Eventos do Ceará, na Washington Soares, n. 999, próximo à Unifor. Contamos com a presença de todos os irmãos, sem bandeira de igreja, porque a nossa bandeira é Jesus Cristo. A Expoevangélica é um evento para um povo de Deus.

veja também