Dominic Balli: "As pessoas usam maconha ouvindo todo tipo de música e o reggae pode ser usado para glorificar a Deus"

Dominic Balli: "As pessoas usam maconha ouvindo todo tipo de música e o reggae pode ser usado para glorificar a Deus"

Atualizado: Segunda-feira, 25 Maio de 2009 as 12

Por Felipe Pinheiro

De volta ao Brasil, o reggaero Dominic Balli apresentou-se na última sexta-feira, dia 22 de maio, na sede da Igreja Bola de Neve, em São Paulo (SP). Além da garantia de entretenimento, o evento foi uma oportunidade de evangelismo a cerca de 1.500 pessoas. "Acabei de conhecer uma moça que veio hoje numa Igreja pela primeira vez e acabou de receber a Cristo como o seu Senhor e Salvador. É isso o que vale a pena", afirmou a pastora Denise Seixas, vocalista da banda Tribo de Louvor e esposa do Apóstolo Rina, líder da denominação.

Em coletiva de imprensa, Dominic Balli falou ao Guia-me sobre a origem do reggae e a associação do estilo com a maconha. "Muitos tipos de música ainda são relacionadas com drogas, com culturas de rebeldia. A história do reggae se relaciona com a história da maconha e ao estilo de vida rastafariano. Mas as pessoas usam maconha ouvindo todo tipo de música e o reggae pode ser usado tanto para glorificar a Deus quanto para ser usado no mundo".

Com a intenção de curtir o som que mescla reggae, rock e hip hop, Fabiana Souza, da Igreja Presbiteriana Palavra Viva, veio de Brasília conhecer a banda de Los Angeles (EUA) após ganhar um ingresso e o primeiro CD, o "Public Announcement", por ter participado do programa Comendo Bola da radioweb da Igreja Bola de Neve. "Muitas pessoas que não conhecem a Palavra, mas que vêm pelo som, vão receber de Deus e no momento certo a semente que será lançada germinará", garante a jovem de 32 anos que se diverte quando os amigos destacam a sua semelhança com Avion Blackman, integrante do Christafari - grupo de reggae gospel californiano. "Estamos bolando uma festa reggae e estão falando que eu vou dublar a Avion", diz Fabiana.

Talento e Unção

Convicto em levar as boas-novas do Evangelho aos que ainda não conhecem a Deus, Dominic prefere não utilizar jargões evangélicos. "Quando eu escrevo, não penso somente nos cristãos, penso no mundo. Por isso não uso o idioma crentês [...] Eu espero que a música seja boa o suficiente para que as pessoas possam alcançar a mensagem".

Além de cantar, Dominic ministrou a salvação e possibilidade de perdão em Cristo àqueles que se arrependem dos seus maus caminhos. "Você pode ser escarvo do pecado ou de Deus [...] A Bíblia diz que o Leão da Tribo de Judá quebra todas as cadeias [...] Eu tenho um filho de um ano e meio, mas há um tempo ele começou a pecar por desobediência. O meu filho, assim como todos nós, nasceu com uma natureza pecaminosa. Mas você pode ser livre do pecado. Alguém aqui quer experimentar a verdadeira liberdade? Liberdade do medo, da morte e de ter nascido no pecado?", perguntou o vocalista acompanhado por gritos de exaltação.

"Nós amamos o reggae mas não viemos só para tocar um reggae - seria maldade não dizer isso para vocês. Deus mudou a minha vida e para mudar a sua, você precisa deixar o seu orgulho de lado e receber um presente: a vida eterna", revelou o cantor.

Denise reconhece a qualidade musical do trabalho de Dominic Balli, contudo evidencia o seu caráter cristão. "Existe unção sobre a vida dele. Não é simplesmente um som gospel bom, é um som de um homem de Deus que prega a Palavra e tem sido um instrumento poderoso nas mãos de Deus. É a forma do talento mais a unção. O resultado é esse".

veja também