É carnaval. Mas por que mesmo estamos felizes?

É carnaval. Mas por que mesmo estamos felizes?

Atualizado: Sexta-feira, 8 Fevereiro de 2013 as 11:52

 

carnaval
 
Sorrisos abundantes. Celebração de corpos, da fantasia sem regras e da cultura brasileira. Mas por que mesmo estamos felizes? 
 
Glamourizar a alegria não garante nada. E o Carnaval pode ser apenas poeira levantada num país em que gostamos de “levantar poeira”, mas nem sempre com a clareza do que significa “dar a volta por cima”.
 
Se os brincantes nos dizem que faz parte da própria natureza da festa não levá-la a sério, não deveríamos, no mínimo, desconfiar de quem a defende seriamente? Claro, sem a ingenuidade de quem acha possível esconder os problemas no armário na sexta-feira e esperar que eles virem cinzas na quarta-feira seguinte.
 
Por outro lado, a igreja cristã brasileira ainda patina na compreensão do que é cultura, e -- mais importante -- de relacioná-la com a essência do Evangelho. Esconder-se da cultura não é assumir a tarefa bíblica de discernir com sabedoria as luzes e sombras da sociedade.
 
Vale lembrar que Deus também nos deu, lá no Jardim do Éden, o mandato de produzir cultura. Como bem lembra Guilherme de Carvalho em Fé Cristã e Cultura Contemporânea, “a tarefa de cultivar, isto é, produzir cultura, implica observar, aprender e desenvolver técnicas para lidar com a natureza. Não é preciso muito esforço para compreender a complexidade dessa tarefa. (...) Parece claro que Deus encarregou o homem de manifestar a sua imagem por meio do trabalho criativo, ou seja, por meio da cultura”. 
 
É óbvio que para tal tarefa não pode faltar o ingrediente da criatividade, porque se somos imagem e semelhança de um Deus Criador, carregamos a alegre centelha criativa que dura bem mais do que quatro dias.
 

veja também