E você, o que já perdeu?

E você, o que já perdeu?

Atualizado: Quarta-feira, 28 Setembro de 2011 as 9:08

“E aconteceu que, no dia seguinte, ele foi à cidade chamada Naim, e com ele iam muitos dos seus discípulos, e uma grande multidão; E, quando chegou perto da porta da cidade, eis que levavam um defunto, filho único de sua mãe, que era viúva; e com ela ia uma grande multidão da cidade. E, vendo-a, o Senhor moveu-se de íntima compaixão por ela, e disse-lhe: Não chores.E, chegando-se, tocou o esquife (e os que o levavam pararam), e disse: Jovem, a ti te digo: Levanta-te. E o defunto assentou-se, e começou a falar.E entregou-o a sua mãe. E de todos se apoderou o temor, e glorificavam a Deus, dizendo: Um grande profeta se levantou entre nós, e Deus visitou o seu povo. E correu dele esta fama por toda a Judéia e por toda a terra circunvizinha.” Lucas 7: 11-17

Esse trecho registrado no Evangelho de Lucas nos revela um dos milagres mais extraordinários que Jesus realizou quando humanamente passou por esta terra.

Imagine Jesus chegando às portas daquela cidade, rodeado por seus discípulos, falando das grandezas do Reino de Deus quando se depara com outra multidão; essa não de alegria e regozijo, mas sim de tristeza e agonia. Jesus com certeza tinha um propósito especial de passar por ali naquele exato momento.

Ali estava uma mulher desesperada, pois perdera seu único filho e tendo já perdido seu marido, dependia financeiramente dele para sobreviver. Jesus mudou completamente a história daquela família. A Bíblia diz que, movido de íntima compaixão pela mulher, primeiro, Jesus a consolou e, depois, disse ao filho que estava morto no caixão: “Levanta-te”. Jesus o ressuscitou ali mesmo, aos olhos daquelas duas multidões. O que antes era impossível aos olhos humanos, agora se tornou uma realidade incontestável, graças ao poder vindo do Altíssimo!

Pense na alegria que tomou conta do coração daquela mãe ao ver o seu filho levantar-se, abrir a boca e começar a falar. Imagine a sua alegria ao recebê-lo das mãos de Jesus, um homem simples, mas que foi capaz de ressuscitar o seu filho. Suas esperanças voltaram! Ela o amava. E agora poderia abraçá-lo e sentir a vida correr em suas veias novamente! Esse episódio reflete o mesmo que acontece quando uma pessoa tem um encontro pessoal com o Senhor Jesus.

Essa mulher viúva perdera o seu amado filho. Entretanto, convido você, caro leitor (a) a refletir sobre a sua vida. Percorra mentalmente pelos esconderijos de sua lembrança e responda para si mesmo: O que EU já perdi em minha vida?

Talvez você tenha perdido o emprego, ou então um bom negócio que poderia mudar radicalmente a sua vida; ou ainda pesarosamente a sua esposa (o) o (a) tenha abandonado. Talvez você já tenha perdido a sua casa, o seu carro, ou então com o passar dos anos tenha perdido a paz, o amor, a saúde, o prazer nas pequenas coisas, o carinho para com a sua família. Talvez você tenha perdido até mesmo a vontade de viver!

O texto bíblico no qual meditamos acima, nos ensina que mesmo quando não há mais esperanças visíveis, quando choramos todas as lágrimas possíveis e não restam sequer palavras para expressar a dor, mas apenas gemidos incompreensíveis ao coração humano e de repente sentimos todas as nossas fontes de alegria e prazer se esgotarem, podemos entregar todos os nossos problemas e necessidades àquele que tem o poder para fazer novas todas as coisas, ressuscitar sonhos e dar uma nova perspectiva de vida àquele que está desesperançado.

A mesma compaixão que o Senhor Jesus sentiu ao assistir a situação daquela mulher, ele sente na atualidade, ao ver a situação de vida de cada pessoa.  Ele vê as nossas misérias, nossas necessidades. Vê o sofrimento que pode estar corroendo o nosso interior... O salmista Davi, certa vez, escreveu: “SENHOR, tu me sondaste, e me conheces. (...) de longe entendes o meu pensamento” (Salmos 139.2-3b). Querido (a) leitor (a), nada mudará essa verdade!

É num encontro profundo e pessoal com esse Deus vivo que todos os sofrimentos causados pelas nossas perdas são verdadeiramente consolados e as nossas emoções e sentimentos são guardados em Deus.

“Não estejais inquietos por coisa alguma; antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus pela oração e súplica, com ação de graças. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos sentimentos em Cristo Jesus” (Fl. 4.6-7).

Busque ter um encontro com Jesus. Ele está perto de você. Entregue sua vida a ele.

“Buscai ao SENHOR enquanto se pode achar, invocai-o enquanto está perto. Deixe o ímpio o seu caminho, e o homem maligno os seus pensamentos, e se converta ao SENHOR, que se compadecerá dele; torne para o nosso Deus, porque grandioso é em perdoar” (Isaías 55: 6-7).

Por Ms. Arildo Gomes

veja também