Edir Macedo: ''Você pode ter certeza de que o milagre irá chegar''

Edir Macedo: ''Você pode ter certeza de que o milagre irá chegar''

Atualizado: Quarta-feira, 8 Dezembro de 2010 as 10:52

A Igreja Universal do Reino de Deus realiza regularmente a Fogueira Santa que acontece em lugares sagrados, cenários de grandes manifestações do poder de Deus na vida do povo de Israel. Nesses locais, onde ocorreram vitórias e realizações, os maiores pedidos daqueles que se lançam nesse evento único, são levados por bispos e pastores da IURD.

Como no passado, Israel alcançou as grandes maravilhas de Deus, o mesmo tem ocorrido nos dias atuais. Em entrevista publicada na Folha Universal, do último domingo (05), o bispo Edir Macedo, fala sobre o significado da Fogueira Santa.

Qual a proposta da Fogueira Santa de Israel?

A proposta da Fogueira Santa é reverter o quadro de sofrimento que as pessoas vivem, pois quem é de Deus jamais se submeterá a qualquer tipo de fracasso em sua vida. Não aceita derrotas de ordem espiritual, profissional, sentimental, familiar ou física. A fé no Senhor Jesus não combina com fracassos e a convicção em relação às Suas promessas é tão profunda que nem a própria morte é capaz de removê-la. Quem tem fé, luta para ser mais que vencedor. Se tivermos fé em Deus, tudo será possível. Como? Agindo do mesmo modo que os filhos de Israel, tendo as mesmas atitudes que eles tiveram. Desse modo, aquele que crê no Deus de Abraão, definitivamente, não aceita viver uma vida inferior à vida prometida por Ele nas Escrituras Sagradas. Essa é a proposta da Fogueira Santa de Israel.

Para quem é a proposta da Fogueira Santa?

O sacrifício da Fogueira Santa não é para aventureiros, nem para tentar uma melhora de vida, mas para quem está disposto a sacrificar. O Senhor Jesus deu Sua vida por nós; Se quisermos conquistar a plenitude da vida que Ele nos oferece, então, da mesma forma, teremos de sacrificar a nossa vida. Moisés teve de fugir do Egito e abrigou-se em Midiã. Ao chegar à casa de Jetro, seu sogro, nada tinha a oferecer senão a si mesmo. Mas foi justamente desse “homem que não tinha nada”, fugitivo, solitário, sem eira nem beira, que Deus fez um líder, um legislador, um estadista, um profeta, um libertador e um salvador para a nação de Israel. Portanto, a proposta da Fogueira Santa é para aqueles que querem subir ao Altar e entregarem-se a si próprios junto com o sacrifício. Esses, certamente, serão abençoados.

Quando podemos dizer que sacrificamos verdadeiramente?

Podemos dizer que sacrificamos verdadeiramente quando o sacrifício dói profundamente, a ponto de nos sentirmos sozinhos, sem ninguém para partilhar a angústia que o antecede. O sacrifício legítimo faz com que passemos a viver totalmente na dependência de Deus; e apenas sacrifica inteiramente quem realmente crê nas promessas guardadas em Sua Palavra. Isso porque sacrificar significa mais do que colocar uma quantia de dinheiro no Altar; sacrificar é renunciar a si próprio para fazer a vontade do Altíssimo.

O que representa o Monte Sinai para o povo de Deus?

Deus escolheu o Sinai (foto ao lado) para servir de referência para todos os povos que acreditam que há um Deus vivo que Se preocupa com os humildes e com os desprezados! O Monte Sinai foi um sinal de Deus para o povo escravizado do passado e continua sendo um sinal de Deus para as pessoas exploradas nos dias de hoje! O Sinai representa o povo excluído, abandonado, injustiçado e ignorado pelos homens. Hoje, em relação ao povo escravo de Israel, que não conhecia o Monte de Deus, estamos em vantagem, pois temos imagens do Monte Sinai, além de farta informação sobre ele. Todos podem vê-lo em fotos ou vídeos e ele continua lá, intacto, como referencial do poder divino. Nesse mesmo local, aqueles que crêem verão as maravilhas de Deus em suas vida. E o Senhor Jesus garante que esses sinais são apenas para os que crêem!

Por que não devemos fazer qualquer sacrifício?

Na Fogueira Santa, usamos a nossa fé para chamar a atenção de Deus. Por essa razão, não pode ser oferecido ao Senhor qualquer coisa. Tem de ser algo especial que represente um sacrifício especial. Mas nem todos têm a mesma fé. Veja bem: enquanto algumas pessoas têm fé para comer carne, outras têm fé para comer legumes. Do mesmo modo, podemos dizer que a condição de um não é a mesma para todos. O pouco para um, entretanto, pode ser o muito para o outro, constituindo, assim, o verdadeiro sacrifício. Como diz a passagem bíblica: “Vindo, porém, uma viúva pobre depositou duas pequenas moedas... Em verdade, vos digo que está viúva pobre depositou no gazofilácio mais do que o fizeram todos os ofertantes” (Marcos 12.42,43). Dessa forma, não existe sacrifício de muito ou de pouco, existe o sacrifício de cada um. Além do que, a atitude de sacrificar ou não depende exclusivamente da fé individual.

O que fazer após participar do propósito de fé?

Manter a fé em Deus e esperar a Sua ação, sem duvidar ou murmurar. Você pode ter certeza de que o milagre irá chegar. A semente foi plantada, agora é perseverar e cuidar para não perder a visão. Muitas vezes, o milagre não acontece de imediato, depende da fé de cada um. Não são poucas as pessoas que esfriam, esperam uma mágica, esquecendo- se de que Deus não é mágico.

Por que bispos e pastores do mundo inteiro sobem o Sinai?

Os bispos e pastores sobem o Sinai para clamar a Deus por respostas aos pedidos dos fiéis. Ao levar o povo ao sacrifício, nós também nos sacrificamos. Expomos nossas vidas, ficamos dias fora de nossas casas, dias sem dormir, sacrificamos nossos corpos para clamar pelos necessitados. Assim, durante todos esses anos de campanhas de Fogueiras Santas, primeiramente, participamos do sacrifício com o povo e, depois, fazemos mais o sacrifício de subir o Sinai.

O ato de sacrificar garante a Salvação?

Não. Você poderá obter muitas bênçãos por meio de sacrifícios, no entanto, a salvação eterna só ocorrerá quando alguém reconhecer verdadeiramente Jesus como Senhor de sua vida. Além disso, é necessário que a pessoa persevere, lute e vigie para permanecer na graça divina. Somente àqueles que seguem o Senhor Jesus há garantias de Salvação Eterna.

Por Mônica Soares

veja também