Editora americanos lançam novas traduções de duas das mais lidas Bíblias

Editora americanos lançam novas traduções de duas das mais lidas Bíblias

Atualizado: Quinta-feira, 10 Março de 2011 as 9:08

Um clássico refeito que chega às livrarias esta semana irá levantar novas questões para milhões de cristãos sobre a natureza do pecado, se as mulheres podem exercer autoridade sobre os homens e o que a palavra "presa" realmente significa.

Na quarta-feira, como muitos cristãos começam a observar a Quaresma, os editores americanos vão lançar novas traduções de duas das mais lidas Bíblias no idioma Inglês - a versão oficial católica e a versão evangélica mais popular - que, juntas, foram impressas mais de 415 milhões de vezes.Estas são as primeiras novas traduções da New American Bible (versão católica) e da Nova Versão Internacional (a mais popular entre os evangélicos) nas últimas décadas, e estão sendo lançadas em um mercado onde as escrituras mudam radicalmente.

No final da década de 1950, algumas traduções dominavam o cristianismo de lingua inglesa. Hoje, existem dezenas, e ainda mais produtos de nicho, guias de estudo da Bíblia comercializados para as mulheres, jovens, amantes dos desenhos animados, jogadores, pessoas que só querem levar um volume pequeno. A nova NVI sozinha tem 33 guias de estudo diferentes sendo publicados neste verão.

Longe de depender de um livro e um pastor, os cristãos americanos de hoje podem se sentar no banco durante um sermão de domingo e usar seu telefone para percorrer 50 interpretações de uma passagem particular do novo ou velho Testamentos e comparar as redações.

Com o mercado de Bíblia crescendo cada vez mais, os editores querem ficar antenados com a forma como os jovens usam as palavras e com as últimas pesquisas acadêmicas.

Embora a maioria das mudanças nas novas versões sejam ajustes sutis de linguagem com intenção de torná-las mais legíveis, os livros refletem debates sobre como entender as escrituras sagradas do Cristianismo.

A parte mais controversa da nova NVI é a remoção de parte da linguagem de gênero neutro que os editores inseriram em uma versão que foi lançada em 2005, mas depois anulada por causa de críticas dos conservadores. A nova versão, por exemplo, substitui em Gênesis o chamado de Deus para fazer "o ser humano à nossa imagem", por "humanidade".

A NVI também tenta tornar menos rígida a formulação em determinados partes, disse Doug Moo, presidente do comitê de tradução de 15 membros. Por exemplo, ele substitui a proibição de mulheres "exercerem" a autoridade sobre os homens na igreja da versão de 1984 - a última NVI oficial - com o potencialmente mais suave " assumindo" a autoridade.

"Se isso se refere a todas as formas de autoridade sobre os homens na igreja ou apenas determinadas formas em certos contextos, depende do intérprete individual para decidir", se ve nas notas de tradução para a nova versão.

Ela substitui usos múltiplos da "natureza pecaminosa" com "carne", que Moo disse pretende deixar ao leitor a questão de saber se o pecado é um elemento central humano ou uma das muitas forças externas às quais nos submetemos.

A nova Bíblia católica reformula apenas o Antigo Testamento. A primeira nova versão desde 1970, destina-se a soar mais poética e mais contemporânea, com "estraga" substituindo "espólio" e "oferenda de fogo" suplantando o "Holocausto".

Poderia agitar controvérsia, porém, com decisões como a que pretende ser mais fiel ao hebraico - traduzindo Isaías 7:14 para dizer "uma jovem" conceberá, e dará à luz um filho, ao invés de uma "virgem", que é como o anterior Antigo Testamento Católico e a maioria das Bíblias evangélicas trazem.

Embora as novas Bíblias estejam sendo liberadas quarta-feira, leva-las às mãos dos leitores será um processo mais lento. Zondervan lançou versões digitais antes do Natal passado e já vendeu 40 mil e-books. A primeira tiragem de cópias de capa dura é de 1,4 milhões, e o porta-voz da Zondervan Brian Burch disse que espera vendas sólidas.

"Temos visto pouca mudança nas vendas de Bíblia entre recessões e os bons tempos", disse Burch.

A questão não é se as pessoas querem ler a Bíblia, mas em que forma e com que fim. Alguns especialistas prevêem que a fragmentação radical no mercado vai matar a noção corrente de que a Bíblia é um texto fixo para ser lido literalmente.

Timothy Beal, um professor de religião na Case Western University, que saiu apenas com um livro chamado "The Rise and Fall of the Bible", comparou a onda de versões com uma "colheita angustiada. Quando uma árvore está prestes a morrer e põe para fora toneladas de sementes."

A Bíblia, Beal diz: "Não é um livro de respostas, mas uma biblioteca de questões. Ela não fala a uma só voz. Não é um único ponto de vista. Este esforço frenético e desesperado para resolver as contradições está indo na contramão da Bíblia, que parece abraçar contradições. "

Mark Kuyper, presidente da Associação de Editores Cristãos Evangélicos, disse que a estrutura da Bíblia é uma vantagem em um mercado frenético e digitalizado. Muitos livros perdem o sentido quando os leitores podem acessar frases ou capítulos separadamente.

"Com a Bíblia, ele já está em pedaços", disse, "Ela vem em partes."

veja também