Egito: Televisão estatal admite falsos relatórios Sobre cristãos

Egito: Televisão estatal admite falsos relatórios Sobre cristãos

Atualizado: Quinta-feira, 13 Outubro de 2011 as 8:48

A televisão estatal do Egito admitiu criar notícias sobre os Cristãos coptas que protestaram no domingo. O falso relatório afirmou que os Cristãos haviam atacado e matado militares tentando manter a order; contudo, tais relatórios provaram ser falsos. Os relatórios falsos são agora conectados diretamente com os surtos de violência e repressão brutal por oficiais militares e Muçulmanos extremistas contra os Cristãos do protesto.A TV estatal egípcia já está sob ataque de ativistas de direitos pelos relatórios falsos, que afirmaram que tinha havido mortes entre as forças militares durante o início das brigas do protesto causadas por coptas do protesto, de acordo com a publicação egípcia Bikyamasr.

As mentiras disseram que os manifestantes coptas atacaram os forças militares com armas e causaram a morte de três soldados.

Depois que o relatório foi lançado, dezenas de Muçulmanos locais foram para as ruas e atacaram os manifestantes. O resultado foi a violência extensa, com veículos militares sendo conduzidos no meio dos manifestantes, deixando 26 pessoas mortas e mais de 200 feridos. A violência tem sido chamada a pior violência sectária desde a queda do regime do presidente Hosni Muabrak.

Maspiro, a TV estatal, também informou que os manifestantes estavam armados e haviam instigado a violência contra os soldados. Acredita-se que estes relatórios contribuíram diretamente para o derramamento de sangue na noite de domingo.

Os manifestantes estavam marchando e pedindo justiça para a Igreja Marinab em Aswan, que foi atacada em 30 de setembro supostamente por cidadãos muçulmanos que alegaram que a igreja não tinha a licença para a construção de uma cúpula. Enquanto os manifestantes se aproximavam do prédio da televisão estatal, tiros vindos das tropas começaram. Os soldados também invadiram o escritório de um canal de televisão privado, Canal 25 e pediu para ver os cartões de identificação de jornalistas para identificar os Cristãos.

De acordo com o Daily, os soldados atacaram alguns jornalistas, incluindo uma mulher grávida. O canal foi forçado a interromper a transmissão ao vivo da violência ocorrendo.

Vídeos postados online mostram veículos blindados atropelando pessoas, matando e ferindo muitos deles. Numerosos relatos de testemunhas oculares afirmaram que os coptas não estavam "armados" e que o exército "não foi provocado para atacar".

Na noite de domingo, a Igreja Copta do Egito chamou os crentes para orar e jejuar por três dias a partir de terça-feira para lamentar os Cristãos mortos nos confrontos com os Muçulmanos e forças de segurança.  

veja também