Elienai Cabral fala dos problemas da Igreja na pós-modernidade

Elienai Cabral fala dos problemas da Igreja na pós-modernidade

Atualizado: Quinta-feira, 15 Abril de 2010 as 12

O pastor Elienai Cabral, membro da Academia Evangélica de Letras do Brasil (AELB) e presidente da Convenção Evangélica das Assembléias de Deus do Distrito Federal ( CEADDIF), ministrou no último domingo (11) sobre "A relevância da Igreja numa sociedade pós-moderna". A pregação aconteceu a bordo do navio MSC Orchestra, no Congresso Internacional Teológico. Com o teatro (Convent Garden Theatre) lotado, a palestra começou com dois louvores cantados em hebraico por Varda Usiglio.

Elienai começou a ministração explicando como decidiu falar sobre a igreja: "Me propus a avaliar a Igreja de uma forma histórica, bíblica e escatológica". E logo relacionou a Igreja com a dependência do homem da sociedade atual de buscar respostas em alguma instituição, seja ela religiosa, política, sociológica.

A busca por essas respostas é encontrada apenas na Igreja, e os templos movidos pelo poder do Espírito Santo são os que dão paz e conforto ao homem moderno, de acordo com o pastor. Ainda segundo Elienai Cabral, a Igreja está vivendo mudanças assustadoras, nas quais se destaca o declínio da fé cristã. "As pessoas não fazem mais a difusão entre carne e espírito e isso faz com que percamos a intimidade com Cristo", relatou o pastor.

Os problemas que a igreja pós-moderna encontra

Em entrevista ao GUIAME.com.br, o pastor falou sobre a falta de compromisso da Igreja com o propósito de Deus: "Há algumas igrejas que estão tendo dificuldade com o compromisso dos fundamentos originais da Igreja primitiva. Então, a Igreja de hoje acaba desenvolvendo um estilo de vida que vai comprometendo o papel dela na sociedade. Com isso, começa a abandonar alguns valores, e passa a ser tratada como uma mera entidade social, um clube, ou coisa semelhante".

O ministro destacou também a inversão de valores no papel vocacional. Na opinião do pastor, os líderes da Igreja ocupam cargos apenas para cumprir um papel. "Alguns pastores vão à igreja porque tem que ir ou pregam porque tem que fazê-lo, mas não tem mais o entusiasmo e a paixão para falar de Cristo. Eles caem no comodismo", expôs Elienai, que garante que ainda mantém a chama acesa do Evangelho.

Outro problema encontrado na sociedade pós-moderna, de acordo com Elienai, é o sistema individualista que está entrando na igreja. As pessoas não se preocupam mais uns com os outros. Mas o pastor Elienai defende a unificação dos membros para que a igreja cumpra a finalidade que Deus determinou à ela. "A igreja é uma colmeia de abelha. Temos uma vontade coletiva. Produzir mel suficiente para alimentar e suprir as almas carentes" metaforiza o pastor.

Utilizando a metáfora da abelha, ele explicou como se deve lutar contra as adversidades: "Os zangões, que são quatro vezes maiores que as abelhas, atacam as colmeias. As abelhas sabem que sozinhas não poderão vencê-los e formam um exército para ter vitória. Assim como elas, nós temos que ser a grande colmeia de Deus na Terra. Nós temos que produzir mel da palavra de Cristo".

Ainda no contexto da pós-modernidade, o pastor destacou que padrões são impostos pela sociedade atual: "Está sendo erguido um muro ao redor desses pensamentos anticristãos para que a palavra de Deus não seja pregada". Mas, segundo o líder, ainda há como encontrar uma brecha nesse muro para pregar o evangelho de Jesus Cristo.

Elienai Cabral vê também a homossexualidade como um dos problemas encontrados por pastores e evangelistas: "Hoje, falar qualquer coisa sobre o assunto já é considerado preconceito". No entanto, ele afirmou que se deve amar o homossexual, mas não aceitar as suas práticas.

Em entrevista ao GUIAME.com.br , Elienai afirmou: "Nós não temos o direito de impedir que o homossexual frequente a igreja. Temos que recebê-los e eles podem fazer parte do contexto da comunidade da Igreja. Porém, esse processo de adesão do indivíduo na instituição e a recuperação é que implica na habilidade e na sensibilidade da Igreja de tentar ajudar se ele quiser ser ajudado. A Igreja só não tem condições de aceitá-lo se ele quiser ser membro mantendo práticas homossexuais, que ferem frontalmente os princípios éticos da Bíblia Sagrada".

Quando perguntado como poderia ser feito o trabalho com o homossexual que opte por ser ajudado, o pastor expressou: "A igreja pode desenvolver um ministério especial para isso, pois essas pessoas precisam de um tratamento especial. Pode ser feito um trabalho de aconselhamento, de preparação de pessoas amorosas, habilidosas, respeitadoras para lidar com essa situação".

Elienai contou também que já recebeu homossexuais. "Eu já tive pessoas homossexuais em minha igreja. Eu pedi que a igreja os amasse, os recebesse, os tratasse bem. Dois deles, hoje, são diáconos que não voltaram à prática homossexual porque entenderam que contrariavam as leis da natureza física e espiritual".

O líder afirmou que o papel da Igreja é transformar a vida da sociedade: "A Igreja tem um compromisso social e evangelístico. De alcançar vidas e ensiná-las a andarem conforme a palavra de Deus".

A igreja do mundo moderno e a volta de Jesus

"O Senhor virá na hora em que Deus projetou e não no tempo que nos convém", garantiu Elienai Cabral. "Só ouviremos o som da trombeta depois que cumprirmos o nosso papel neste planeta", continuou. Para ele, muitas pessoas estão tão preocupadas com a volta de Jesus que esquecem de se preparar para esse momento, que é conhecido apenas por Deus, sendo a nação santa, geração eleita, povo exclusivo de Deus.

O cristão deveria ser o diferencial na Terra. "Nós não correspondemos a expectativa deste mundo. Somos de outro sistema político, outro rei. Estamos na Terra para despovoar o sistema satânico", disse o pastor.

Em sua ministração, o pastor levantou também a questão da preservação do meio ambiente. Ao GUIAME.com.br , Elienai falou da falta de conscientização das lideranças da Igreja sobre o assunto, e a relação que os cristãos fazem entre os acontecimentos recentes [terremotos, tsunamis, alagamentos] e a vinda de Jesus.

"Eu como pastor de igreja tenho como obrigação ensinar ao meu povo sobre os aspectos das relações terrenas que ele tem com o meio ambiente, com a preservação das fontes vitais da nossa subsistência. Então, falta para mim consciência ecológica. E a falta desta consciência é por ignorância espiritual. Aí a tendência das pessoas é radicalizar. Levar para o lado escatológico", comentou o ministro.

Elienai ressaltou a necessidade de se estar preparado para quando esse momento ocorrer. "Enquanto estamos aqui, nós temos o compromisso de cuidar daquilo que Deus nos deu. Temos que ser modelo para a sociedade moderna", concluiu o pastor.

CIT 2010 O CIT 2010 acontece de 9 a 13 de abril, a bordo do navio MSC Orchestra, partindo do porto de Santos (SP), passando pela capital carioca e fazendo mais duas paradas no estado do Rio de Janeiro: Búzios e Ilha Grande.

O evento, organizado pela agência de viagens Lexus Turismo, reúne músicos e palestrantes reconhecidos internacionalmente para louvor e discussão de temas bíblicos.

Por Débora Padoin Malva

Foto: Marcos Corrêa

veja também