Em debate o pastor e deputado Marco Feliciano se mostrou contrário a Lei da Palmada

Marco Feliciano defende que Lei da Palmada seja engavetada

Atualizado: Quarta-feira, 8 Fevereiro de 2012 as 11:28

O PSC realizou nesta terça-feira (8) um debate sobre a lei da palmada, com a presença de vários deputados e a participação de internautas que puderam opinar. No final ficou constatado que a maioria da população brasileira é contraria a interferência do poder público na educação e na correção dos seus filhos.
Pastor e deputado federal, Marco Feliciano (PSC-SP) compôs a mesa, e teve participação direta no debate que ajudou a esclarecer o assunto. Ele se mostrou contrário ao que a lei diz. “O projeto é desnecessário, iníquo e sem fundamento. A solução agora seria engavetá-lo”, comentou o pastor-deputado.
Mesmo tendo apoiado a aprovação do Projeto na Comissão Especial, Feliciano não acredita que a Lei da Palmada consiga passar pelo Senado, caso a Câmara dos Deputados vote de forma favorável. Ele lembrou que a proteção à criança já é garantida pelo Estatuto da Criança e do Adolescente.
“Ninguém mais entende o objetivo do projeto, ele foi demonizado pela mídia e perdeu o foco. A proteção à criança já é garantida pelo Estatuto da Criança e do Adolescente. Temos código penal para punir agressões físicas e os pais que desrespeitarem as leis de proteção à criança e ao adolescente serão punidos”, observou o parlamentar.
Relatado pela deputada Teresa Surita (PMDB-RR), o projeto prevê que pais que maltratem os filhos sejam encaminhados a programa oficial de proteção à família e a cursos de orientação, tratamento psicológico ou psiquiátrico, além de receberem advertência. A criança que sofrer a agressão deverá ser encaminhada a tratamento especializado.

veja também