Em evento, estudioso rebate teorias da New Life Mission

Em evento, estudioso rebate teorias da New Life Mission

Atualizado: Quinta-feira, 17 Março de 2011 as 11

Durante a 13ª edição da Consciência Cristã, que encerrou suas atividades no dia 8 de março, em Campina Grande, na Paraíba, o professor Paulo Cristiano ministrou uma palestra cujo tema foi: O falso evangelho da água e do espírito da New Life Mission.

Paulo Cristiano é pesquisador de religiões, presbítero da Igreja Evangélica Assembléia de Deus, em São José do Rio Preto - SP, co-fundador e vice-presidente do Centro Apologético Cristão de Pesquisas - CACP, fundado em 1998. O ministério CACP é uma organização evangélica que promove a fé cristã mediante a produção de pesquisas e informações religiosas. O pesquisador abordou a Missão Nova Vida através de uma análise bíblica teológica no “evangelho da água e do espírito”.

A New Life Mission se define como uma organização não denominacional e sem fins lucrativos, cujo alvo é pregar a Palavra de Deus para todas as pessoas do mundo por meio de literaturas, as quais são distribuídas gratuitamente. Essa organização foi fundada pelo reverendo Paul C. Jong em 1991. Segundo Paulo Cristiano, as idéias de Paul C. Jong defendem que após Constantino perdeu-se o verdadeiro evangelho, e ele – Paul C. Jong - teria sido escolhido por Deus para essa missão. A New Life Mission defende um evangelho da água e do espírito, que exalta a pessoa de João Batista, considerando-o como um co-redentor - “E por meio de João Batista e de Jesus Cristo, Deus realizou a salvação da humanidade. Somos salvos de todos os nossos pecados crendo na obra de redenção realizada por intermédio de João Batista e de Jesus Cristo”, defende Paul.

Refutando o estranho evangelho da água e do espírito, Paulo Cristiano afirma que a expiação está intrinsecamente unida à cruz e ao sangue e não ao batismo e a água. “Isaías 53 é a sinopse da história da expiação, mas ela nem sequer faz menção de água ou batismo, simplesmente diz que nossa redenção e expiação foram feitas na cruz (53.11,12), pois faz referência aos dois ladrões”, explica. Para fundamentar seu argumento, o professor cita ainda os textos bíblicos que se encontram em na primeira epístola de Pedro 1.19 e no livro de Mateus 26:28. Paulo Cristiano explica que João Batista, apesar de seu pai ser sacerdote ele não seguiu o ministério sacerdotal de seu pai, pois desde o ventre foi chamado para outra tarefa, ser a voz que clama no deserto (Mt. 3.3; Mc.1.2-4), um profeta (Lc. 7.26), um mensageiro (Lc. 7.27), mas nunca um sumo sacerdote.  

veja também