Em funeral, cristão adota bebê que perdeu os pais: "A verdadeira felicidade é cuidar dos órfãos"

Durante o funeral, Clemente viu o bebê chorar e após conversar com os parentes resolveu adotá-lo.

fonte: Guiame, com informações do Notícias Adventistas

Atualizado: Quarta-feira, 31 Janeiro de 2018 as 10:22

Clemente Mateus Malala é um fazendeiro cristão de 61 anos. (Foto: Andrew McChesney / Adventist Mission).
Clemente Mateus Malala é um fazendeiro cristão de 61 anos. (Foto: Andrew McChesney / Adventist Mission).

Clemente Mateus Malala é um fazendeiro cristão. Mas, mais que isso, ele é um ativo agente de mudanças em Moçambique. Ele, que tem quatro filhos biológicos adultos, adotou uma quarta criança. Sua história sobre a mais recente adoção é bastante emocional.

Ele estava em um funeral em Milange (um povoado a apenas três quilômetros da fronteira de Moçambique com o Malawi), onde uma jovem mãe havia morrido por complicações da Aids. Seu falecimento se deu apenas cinco dias após seu bebê nascer. O pai da criança já havia morrido antes, também devido à Aids.

Clemente viu o bebê gritar durante o funeral. “Ele estava chorando porque não havia ninguém para cuidar dele”, disse o fazendeiro de 61 anos. Quando o funeral acabou, ele foi conversar com os parentes do menino. Clemente ficou sabendo que eles tinham pouco dinheiro para comprar materiais como leite e fraldas.

Neste momento, ele nem pensou duas vezes e se prontificou em comprar os itens. apesar disso, Clemente ainda ficou preocupado imaginando que os parentes poderiam revendê-los. Foi então que ele se ofereceu para adotar o bebê.

O milagre da vida

Hoje, o bebê que ganhou o nome de Laston, tem cinco anos. Ele é o filho adotivo mais novo de Clemente, que ao todo tem quatro por adoção. Além disso, eles geraram quatro filhos biológicos, completando oito.

Como fazendeiro, Clemente cultiva feijão verde e milho, no oeste rural de Moçambique. Ele é um membro ativo da Igreja Adventista e evangelista que já levou 430 pessoas ao batismo nos últimos 13 anos.

Apesar disso, ele afirma que nada o tocou tanto como seus quatro filhos adotivos, que perderam seus pais por causa do HIV. “Deus me abençoou com o dom de levar pessoas a Ele, mas a verdadeira felicidade vem de cuidar desses órfãos”, ressaltou.

“Os adultos que eu conduzi a Cristo são capazes de suprir suas necessidades físicas, mas os órfãos sofreriam duas vezes sem mim: suas necessidades físicas não seriam satisfeitas, e eles poderiam perder a salvação”, comentou.

Grande desafio

O HIV ainda é um grande desafio em Moçambique. Clemente sabe disso e se posiciona como um dos cristãos que se esforçam para fazer a diferença. Ele adotou seu primeiro filho órfão, Rojério, ao ver o menino de dois anos procurando comida na beira da estrada.

Segundo os parentes do garoto, os pais de Rojério haviam morrido e por isso o entregaram quando Clemente se ofereceu para criar o menino. Ele também adotou mais duas meninas em circunstâncias semelhantes. Atualmente Rojério tem 15 anos, e as duas meninas têm 11 e 8 anos.

“O mínimo que posso fazer é receber alguns filhos e alimentá-los em minha casa”, salientou o fazendeiro cristão. Ele ainda afirma que gostaria de ter uma escola cristã em Milange, onde seus filhos adotados possam estudar. “Como igreja, devemos investir na educação, para investir no futuro da igreja”, finalizou.

veja também