Em livro, escritor diz que Jesus era revolucionário e não espiritual

Em livro, escritor diz que Jesus era mais revolucionário do que espiritual

Atualizado: Terça-feira, 26 Novembro de 2013 as 1:50

ZelotaPara o escritor norte-americano de origem iraniana Reza Aslan, está na hora de os versículos bíblicos com falas de Jesus serem lidos em seu contexto original.
 
Segundo ele, Jesus deve ser visto e entendido muito mais literalmente do que espiritualmente. Em um livro recém públicado, Aslan aborda o assunto.
 
Daí o nome do livro: zelota (do grego "zelotes") é como os autores bíblicos denominavam os judeus especialmente zelosos das prerrogativas religiosas do Deus de Israel -uma divindade que, ao menos no Antigo Testamento, era capaz de uma aterrorizante fúria militar contra os inimigos dos israelitas. Mais tarde, o termo seria usado para designar uma seita revolucionária judaica.
 
"Vamos colocar a coisa da seguinte forma: há aqueles que acham que Jesus era total e absolutamente único, diferente de todos os judeus do seu tempo. E há os que acham que, embora ele fosse extraordinário e inovador, ainda assim seu pensamento tinha muito em comum com o de outros judeus. Eu faço parte desse segundo grupo", disse em entrevista.
 
Aslan é um acadêmico, com mestrado em teologia na Universidade Harvard e doutorado em história das religiões na Universidade da Califórnia, em Santa Barbara, mas seu livro conquistou o grande público. Razões alheias ao seu conteúdo contribuíram para que a obra tivesse virado best-seller nos nos EUA.
 
Na entrevista que deu à TV, Aslan lembra que seu livro não é sobre cristianismo. "Meu tema é o judaísmo de veia revolucionária que existia no século 1º d.C., do qual Jesus era um representante".
 
Confira a sinopse do livro 'Zelota - A vida e a época de Jesus de Nazaré'.
 
Dois mil anos atrás, um pregador judeu atravessou a Galileia realizando milagres e reunindo seguidores para estabelecer o que chamou de “Reino de Deus”. Assim, lançou um movimento revolucionário tão ameaçador à ordem estabelecida que foi capturado, torturado e executado como um criminoso de Estado. Seu nome era Jesus de Nazaré.
 
Poucas décadas após sua morte, seus seguidores o chamariam de “o filho de Deus”. Com uma prosa envolvente, baseada em uma pesquisa meticulosa, o escritor e especialista em religião Reza Aslan mergulha na turbulenta época em que Jesus viveu, reconstruindo com maestria a Palestina do século I em busca do Jesus histórico. 
 
Ao fazê-lo, encontra um rebelde carismático que desafiava as autoridades de Roma e a alta hierarquia religiosa judaica – um dos chamados zelotas, nacionalistas radicais que consideravam dever de todo judeu combater a ocupação romana.
 
Aslan descreve um homem cheio de convicção, paixão e contradições; e aborda as razões por que a Igreja cristã preferiu promover a imagem de Jesus como um mestre espiritual pacífico em vez do revolucionário politicamente conscientizado que ele foi. Numa narrativa de tirar o fôlego, Zelota oferece uma nova perspectiva sobre aquela que talvez seja a história mais extraordinária da humanidade.
 
 
com informações da Folha de S. Paulo
 

veja também