Em Uganda, Igreja Adventista toma posição sobre penalidades contra homossexuais

Em Uganda, Igreja Adventista toma posição sobre penalidades contra homossexuais

Atualizado: Quinta-feira, 21 Janeiro de 2010 as 12

Numa declaração emitida na semana passada, a liderança mundial da Igreja Adventista do Sétimo Dia declarou que via "com preocupação" comentários atribuídos ao dirigente da Igreja Adventista em Uganda.

A declaração afirmava a posição da Igreja sobre dignidade humana em oposição às penalidades, inclusive tempo de prisão e sentença de morte, que se propõe na legislação ugandense. A declaração, dada a público em 8 de janeiro, destaca que a legislação não se coaduna com os valores expressos da Igreja.

Reportagens pela imprensa indicam que o presidente da Igreja Adventista em Uganda, John Kakembo, havia dado apoio a algumas provisões da legislação anti-homossexual sob consideração pelo parlamento de Uganda, mas não a sugestão de que os achados culpados de "homossexualismo agravado" fossem executados. O webiste do jornal de Uganda "New Vision" declarara que embora Kakembo desse apoio à proposta como um todo, excluía disso a provisão de sentença de morte.

A declaração oficial da Igreja Adventista, emitida pelo Diretor de Comunicação Rajmund Dabrowski, assim reza: "A liderança da Igreja acompanhou com preocupação algumas declarações que se atribui ao Diretor Executivo da União de Uganda em ligação com a proposta de lei anti-homossexual sob consideração em Uganda. Esses pontos de vista não refletem os valores da Igreja como expressos em declarações publicadas sobre conduta entre pessoas do mesmo sexo. Os adventistas do sétimo dia continuam a afirmar a igualdade de dignidade e direitos de toda pessoa como articulada nas declarações e convênios internacionais relevantes sobre direitos humanos".

Há aproximadamente 200.000 adventistas e mais de 800 congregações em Uganda.

Postado por: Felipe Pinheiro

veja também