Encontro do SAF mostra o amadurecimento da Igreja Metodista

Encontro do SAF mostra o amadurecimento da Igreja Metodista

Atualizado: Segunda-feira, 25 Outubro de 2010 as 1:14

Entre os dias 22 a 24 de outubro foi realizado na Faculdade de Teologia (Fateo), o Encontro de Comemoração do Projeto Sombra e Água Fresca (SAF), que completou 10 anos de Compromisso Missionário Metodista com crianças e adolescentes. Segundo alguns participantes, o Encontro do SAF mostrou o crescimento do projeto não apenas em números, mas também em qualidade. “O Sombra ao completar seus dez anos, mostra também o amadurecimento da Igreja”, disse o professor Dr. Helmut Renders, da Fateo.

O SAF é uma rede de projetos da Igreja Metodista no Brasil, desenvolvida pelas igrejas locais e instituições para atender crianças e adolescentes de 6 a 14 anos. Ele foi organizado para ajudar igrejas locais a desenvolverem atividades sócio-educativas como uma alternativa às ruas e às situações de risco. Veja a seguir como foi o evento.

Crianças entoam Hino Nacional na abertura A celebração dos dez anos do SAF teve início na noite de sexta feira, 22; várias autoridades do Brasil e exterior estiveram prestigiando o evento, como por exemplo, a Coordenadora dos Ministérios Iniciativas de Esperança, Dorothy Ivey, que apoia os programas sociais da África e do Brasil representando a bispa da virgínia; a Agente Nacional do SAF, Teca  Greathouse seu esposo Gordon, representantes do SAF no Brasil, além de autoridades da Igreja Metodista, como: Bispo presidente do Colégio Episcopal da Igreja Metodista, João Carlos Lopes, Bispo Adriel de Souza Maia (terceira região), Bispa Marisa Ferreira (Remne), o Secretário Executivo do Colégio Episcopal, Bispo Stanley Moraes; Bispo Assistente do Projeto, João Alves de Oliveira Filho; Bispo Nelson Leite; Joana D'arc Meireles, Secretária Executiva para a Vida e Missão da Igreja, os Reitores da Fateo e da UMESP, Rui de Souza Josgrilberg e Márcio Moraes respectivamente e a Coordenadora do Departamento Nacional de Escola Dominical, Andreia Fernandes.

Credo Social e SAF são expressões de uma Igreja madura A manhã do sábado (23/10) teve início com algumas apresentações, uma delas foi do professor Dr. Helmut Renders, da Faculdade de Teologia (Fateo) que falou sobre o Credo Social Metodista. Segundo ele, a Igreja Metodista no Brasil foi pioneira em assumir o Credo Social em nível mundial. “Temos uma herança para defender”, disse. Ele ainda afirmou que o projeto Sombra e Água Fresca (SAF), ao completar 10 anos mostra o amadurecimento da Igreja.

''A Igreja e os Problemas Sociais'' foi o primeiro nome do Credo Social Metodista, documento publicado em 1908 por decisão do Concílio Geral da Igreja Metodista Episcopal, nos Estados Unidos. O Credo Social reporta-se a ensinamentos do fundador do metodismo, o teólogo inglês John Wesley (1703-1791).

Wesley enfatizava que ''o evangelho de Cristo não conhece religião que não seja religião social; não conhece santidade, que não seja santidade social''.

O primeiro texto do Credo Social, de 1908, deu ênfase às condições de trabalho e declarou compromisso com ''direitos iguais e justiça completa para todos os seres humanos em cada momento de suas vidas'', isso 41 anos antes da Declaração Universal dos Direitos Humanos.

“Os pais e as mães da Igreja Metodista não eram sonhadores, eram visionários. Eles projetaram algo e disseram que iriam aprender a crescer com o compromisso. Era um caminho que eles estavam projetando”, explicou Helmut. Segundo o professor, o Credo Social e o projeto SAF são expressões de uma Igreja madura e da busca continua de amadurecimento de si e do mundo o seu redor.

O Credo Social da Igreja Metodista proclama que ''o pleno desenvolvimento humano, a verdadeira segurança e ordem social só se alcançam na medida em que todos os recursos técnicos e econômicos e os valores institucionais estão a serviço da dignidade humana na efetiva justiça social''.

O texto ainda reconhece que ''a pobreza escravizadora em um mundo de abundância é uma grave violação da ordem de Deus'', e que ela é fruto dos ''desequilíbrios econômicos, de estruturas sociais injustas, da exploração dos indefesos, da carência de reconhecimentos''.

Sustenta, pois, que ''é injusto aumentar a riqueza dos ricos e poder dos fortes confirmando a miséria dos pobres e oprimidos''. Admite que problemas sociais ''são manifestações patológicas do organismo social como um todo''.

O documento se tornou um instrumento de denúncia e anúncio proféticos da Igreja Metodista e passou por mais algumas adaptações a cada transformação do cenário nacional. A última atualização aconteceu no 16º Concílio Geral da Igreja Metodista, em 1997.

Amar a Deus e ao próximo Visivelmente emocionado, Gordon Greathouse, missionário da Junta Geral de Ministérios Globais da Igreja Metodista, lembrou do início de seu ministério, quando ainda nem vivia no Brasil.

Segundo Gordon, o Senhor o fez aprender sobre um dos maiores mandamentos da Bíblia: “Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a ti mesmo”. Para ele, um dos problemas que existe na igreja é exatamente essa falta de amor pelo outro. “A espiritualidade é fundamental, não em ações, mas o amor a Deus e o amor ao próximo. Eu acho que John Wesley entendeu muito bem essa visão”, disse Gordon.

Gordon ainda explicou que sem essas ações que estamos envolvidos em nossas igrejas, não há como ter espiritualidade. Para ele, as comunidades têm que sempre focar suas idéias e projetos na prática. “O SAF, por exemplo, é um serviço que promove uma Igreja saudável, não fica apenas nas quatro paredes, mas atinge a comunidade a sua volta”, disse ele. O missionário ainda citou cinco características de igrejas que são saudáveis. Veja a seguir:

1.       Acolhem as pessoas sinceramente;

2.       Tem cultos inspiradores, que a pessoa sente que tem um encontro com Deus e sua vida é alimentada;

3.       Formam grupos pequenos para aprofundamento;

4.       Promovem a generosidade, a missão;

5.       Igrejas que são corajosas na missão e no serviço.

Em continuidade ao Encontro, foram realizadas no sábado, oficinas onde foram abordados os seguintes temas: Inclusão, Meio Ambiente, Perfil da Criança e do Adolescente, Sexualidade, Cidadania e Voluntariado. A média de participação foi de 15 pessoas em cada sala.  Já durante a noite foi feito o lançamento da “Coleção 10 anos de SAF”.

O Encontro foi finalizado no domingo (24/10) com o momento “Partilhar é preciso”, onde participantes do projeto contaram um pouco sobre suas experiências com o projeto Sombra e Água Fresca.

veja também