Estudo comprova que pessoas de pouca reflexão têm mais fé em Deus

Estudo comprova que pessoas de pouca reflexão têm mais fé em Deus

Atualizado: Sexta-feira, 23 Setembro de 2011 as 9:57

vou para lá depois do trabalho aqui e se de repente estiver por la, queria conversar pessoalmente sobre o que te adiantei do msn da possibilidade de um acordo de demissão para logo apos os dias que ficarei de férias, vou passar um tempo estudando fora do país e preciso marcar isso com a agencia q tá operacionalizando isso pra mim o qto antes! As pessoas que tomam decisão pelo primeiro impulso, pela intuição, tendem a crer mais na existência de Deus em relação àquelas mais reflexivas.

Esses fatores são influenciados pela cultura, mas trata-se de uma interferência pequena, quase desprezível. É o que diz estudo conduzido por Amitai Shenhav, da Universidade Harvard, dos Estados Unidos, e publicado pelo Journal of Experimental Psychology.

A conclusão de que as pessoas mais racionais tendem a crer menos em Deus pode parecer óbvia, mas foi a primeira vez que isso foi provado cientificamente. Pesquisas anteriores revelaram que pessoas de QI (Quociente de Inteligência) acima da média tendem a crer menos em Deus, mas pessoas inteligentes necessariamente não são as mais racionais.

Para a realização do estudo, 882 voluntários se submeteram a um questionário sobre crenças religiosas e questões que exigiram raciocínio. O objetivo foi identificar o estilo de pensamento de cada um deles.

Verificou-se que as pessoas com pensamentos intuitivos -- portanto as com mais tendência para acreditar em Deus -- caíram com mais frequência nas “pegadinhas” das questões que exigiam raciocínio com números. Confirmou-se que todos têm pensamentos intuitivos. A diferença é que as pessoas reflexivas questionam a intuição antes de tomar uma decisão.

Shenhav não fez no estudo uma comparação de importância entre as pessoas mais intuitivas e as mais racionais. “Ambos os tipos de pessoas são importantes para todo o mundo”, disse. “Não existe uma resposta certa sobre qual dos dois modos de pensamento deve ser usado em cada ocasião.”

Ele afirmou que cada pessoa acaba encontrando o seu ponto de equilíbrio entre o pensamento intuitivo e o reflexivo. Esse equilíbrio muda com o tempo na maiorias dos casos porque, segundo Shenhav, as pessoas mais intuitivas tendem a fortalecer cada vez mais a fé em Deus e as reflexivas a se tornarem mais descrentes.

Com informação do texto do estudo e de portais. Via Paulopes Weblog

veja também