"Eu só tenho a agradecer a Deus", diz homem solto após 36 anos preso injustamente

Andrew Stewart passou 36 anos preso injustamente, acusado de ter assassinado outro jovem.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Quarta-feira, 27 Novembro de 2019 as 12:06

Andrew Stewart foi preso ainda adolescente, com mais dois amigos, injustamente condenados pelo assassinato de outro jovem. (Foto: Getty Immages)
Andrew Stewart foi preso ainda adolescente, com mais dois amigos, injustamente condenados pelo assassinato de outro jovem. (Foto: Getty Immages)

Três homens da cidade de Baltimore (Maryland, EUA) que cumpriram 36 anos de prisão depois de terem sido injustamente condenados à prisão perpétua por assassinato, quando ainda eram adolescentes, louvaram a Deus com suas famílias e amigos, depois de serem absolvidos e libertados na última segunda-feira (25).

"Realmente não tenho palavras para dizer, mas só tenho a agradecer a Deus. É surreal [estar em liberdade]", disse Andrew Stewart à WBAL-TV Baltimore.

Stewart, junto com Alfred Chestnut e Ransom Watkins, tinham apenas 16 anos quando foram presos pela primeira vez, acusados de terem assassinado Dewitt Duckett, 14, em 18 de novembro de 1983, na Harlem Park Junior High School.

Na última segunda-feira, o juiz do Tribunal do Circuito de Baltimore, Charles J. Peters, declarou os três homens inocentes e pediu desculpas pelo o que aconteceu com eles, informou o Washington Post.

"Em nome do sistema de justiça criminal, e tenho certeza de que isso significa muito pouco para vocês, mas vou me desculpar", disse Peters.

A mãe de Stewart, Mary Stewart, também louvou a Deus em uma entrevista à WBAL-TV.

"É a primeira vez que consigo abraçar meu filho há cerca de 20 anos. Isso é maravilhoso. Deus os abençoe, Deus é bom o tempo todo, não às vezes, mas o tempo todo ", disse ela.

Retomada do Caso

Segundo o The Washington Post, as exonerações foram acionadas devido à perseverança de Chestnut, agora com 52 anos, que continuava pressionando por uma revisão do caso contra ele e seus amigos de infância.

No primeiro semestre de 2019, sua alegação de inocência foi levantada pela Unidade de Integridade de Condenação da promotoria do estado de Baltimore City, que descobriu que as condenações eram baseadas em testemunhos de testemunhas falsas, além de evidências de que havia outro agressor sendo ignoradas.

"Isso é esmagador", disse Chestnut à mídia sobre sua libertação. "Eu sempre sonhei com isso. Minha mãe, é a isso que ela está se apegando desde sempre. Ver o seu filho voltar para casa".

Chestnut e seus amigos foram mantidos juntos por 12 anos na Penitenciária de Maryland antes de finalmente se separarem.

Alfred Chesnut, Andrew Stewart e Ransom Watkins (da esquerda para a direita) cumpriam sentenças de prisão perpétua pelo assassinato de DeWitt Duckett. (Foto: AFP)

Propósito

Stewart, hoje com 53 anos, disse ao Washington Post que aprendeu a aceitar "o significado da fé e o valor de Deus" enquanto estava na prisão, onde também ministrava estudos bíblicos. Apesar de sua fé, porém, ele havia perdido a esperança de que algum dia seria libertado, mas estava determinado a continuar louvando a Deus de qualquer maneira.

"Se é aqui que Deus quer que eu descanse minha cabeça pelo resto da minha vida, é aqui que vou servir a Jesus Cristo pelo resto da minha vida", disse ele a si mesmo um dia durante um dos estudos bíblicos.

Em maio, Chestnut escreveu para o escritório da promotora de Baltimore City, Marilyn Mosby, depois que a viu discutindo a Unidade de Integridade da Convicção na televisão.

Perseverança

Em sua carta, ele incluiu novas evidências que descobriu no ano passado que incriminavam Michael Willis, o homem que as autoridades dizem agora ser o atirador real. Uma vez que a unidade se envolveu, eles ficaram surpresos com o que descobriram.

"Duas pessoas ligaram dizendo que Michael Willis era o atirador", disse Lauren Lipscomb, chefe da Unidade de Integridade da Convicção, ao Washington Post. Uma testemunha teria reconhecido Willis como o atirador em uma série de fotos de suspeitos e criminosos. Outro aluno também [disse que viu] Willis fugir da escola e jogar fora uma arma. Os relatórios sobre tudo isso não foram entregues à defesa. "Você não pode inventar isso", disse Lipscomb à publicação. "É simplesmente ultrajante."

Duckett teria sido morto a tiros por causa de uma jaqueta de basquete da Universidade de Georgetown, segundo informou a polícia. Os três adolescentes da época estavam assistindo algumas aulas do ensino médio para visitar ex-professores do Harlem Park Junior High. Seus professores os citaram como "travessos", mas não ameaçadores. A segurança da escola também disse que os meninos deixaram o campus cerca de meia hora antes do assassinato de Duckett.

Mas a polícia encontrou uma jaqueta de Georgetown no quarto de Chestnut durante a investigação e não notou que nenhum sangue ou resíduo de bala foi encontrado na jaqueta do garoto. Sua mãe conseguiu, inclusive apresentar um recibo de compra da peça de roupa. Um funcionário da loja também testemunhou que a mãe do adolescente havia comprado o casaco.

Donald Kincaid, o principal detetive do caso, insistiu em depoimento ao The Washington Post que não havia nada de impróprio em sua investigação.

"O que eu tiraria disso?", Kincaid perguntou na segunda-feira. "Você acha que por um minuto eu quero mandar três garotos para a prisão pelo resto da vida? Eu não os conhecia. Por que eu gostaria de fazer algo assim?'

Quando os homens souberam de Mosby que seriam libertados, Chestnut disse: "Sinto que todos esses anos venho dizendo a mesma coisa. Finalmente, alguém ouviu meu choro. Agradeço a Deus e Marilyn Mosby. Ela está trabalhando muito pelos caras em situação como a minha".

veja também