Evangélico fingiu ser gay para provar crença religiosa

Evangélico finge ser gay por um ano

Atualizado: Terça-feira, 4 Dezembro de 2012 as 7:37

O evangélico Timothy Kurek passou um ano inteiro fingindo ser gay para chegar a uma simples conclusão: é preciso uma mudança drástica para alterar profundamente as crenças religiosas arraigadas.

A decisão drástica aconteceu depois que uma amiga lésbica compartilhar com Kurek como se sentia após ter sido execrada por sua família por causa de sua sexualidade. Morando na cidade conservadora de Nashville, Tennessee, ele viveu em meio à comunidade gay durante o ano de 2009. No primeiro dia do ano ele “saiu do armário” diante de sua família, conseguiu um emprego em uma cafeteria para gays e contou com a ajuda de um amigo gay que fingia ser seu namorado em público.

Ele foi educado em um lar cristão, frequentou a mesma igreja batista a vida toda e estudou na Liberty University, a maior universidade evangélica do mundo. Ele explica que sua visão de mundo o levou a alguns ter pontos de vista profundamente arraigados sobre a homossexualidade.

A experiência de Kurek, que não incluiu contato íntimo com outros homens, está documentado no seu livro “”The Cross in the Closet” (A Cruz no Armário), que tem recebido atenção internacional. Recentemente, o assunto foi o tema de um especial do programa “The View”, da rede ABC.

A pastora Connie Waters, que defende a causa LGBT em sua igreja do Memphis disse estar “orgulhosa” de Timothy, que conheceu em um fórum online. Embora nunca incentive os fieis  a mentir, entende que  no caso do projeto secreto de Kurek, isso serviu a um “objetivo maior”.  “A transformação nele foi uma mudança de vida”, disse ela. “É isso que se espera, é o objetivo da caminhada de fé cristã….”.

Hoje Kurek afirma que continua indo à igreja, embora com menor frequência, e ainda se considera um cristão, embora não mais evangélico no sentido tradicional. Ele cita Tiago 1:27, do Novo Testamento, que fala sobre a religião que deseja viver.

 

veja também