Evangélicos defendem ensino religioso e criticam ditadura do laicismo

Evangélicos defendem ensino religioso e criticam ditadura do laicismo

Atualizado: Segunda-feira, 14 Março de 2011 as 9:27

A Omebe (Ordem dos Ministros Evangélicos do Brasil) criticou o parecer do CME (Conselho Municipal de Educação) do Rio contra a implantação do ensino religioso nas escolas públicas.

No entendimento do Conselho, o esse tipo de ensino  deve ficar fora do currículo escolar porque não se trata de uma “área de conhecimento específico”.

O pastor Francisco Nery, coordenador do departamento de ensino religioso da Omebe, afirmou que decisões como a do conselho “privam o aluno da oportunidade de escolha e estabelece uma ditadura do laicismo”.

O CME é constituído por doze conselheiros – seis do governo municipal e seis da sociedade civil. A aprovação do parecer foi por unanimidade.

Para o Conselho, a Secretaria de Educação do Rio, antes de tomar uma decisão, deve aguardar o julgamento pelo STF (Supremo Tribunal Federal) de uma ação de inconstitucionalidade proposta pelo Ministério Público em relação o ensino religioso. O CEME é um órgão consultivo, mas normalmente seus pareceres são seguidos pela secretaria, ainda mais no caso deste, que foi unânime.

A reação da Igreja Católica ao parecer foi discreta (pelo menos até hoje), embora ela seja a maior beneficiária do ensino religioso no Brasil. A Arquidiocese do Rio afirmou que essa modalidade de ensino é um direito constitucional dos alunos que desejarem exercê-lo.

Dom Antônio Augusto Dias Duarte, bispo auxiliar da arquidiocese, disse que as escolas municipais do Rio precisam adotar o ensino religioso porque a religião, além de ser uma riqueza da cultura brasileira, proporciona ao indivíduo “uma dimensão social e pessoal”.

Com informação do jornal Estado de S.Paulo. Via Paulopes Weblog

veja também