Evangélicos se opõem à proibição de aluguel de horário na TV

Evangélicos se opõem à proibição de aluguel de horário na TV

Atualizado: Segunda-feira, 4 Junho de 2012 as 9:15

Uma possível atualização do Código Brasileiro de Telecomunicações, de 1962, pode proibir o aluguel de horários de programação de rádio e TV.

Pastores como Valdemiro Santiago e R.R. Soares seriam alguns dos afetados pela lei.

Os representantes dos evangélicos no Congresso afirmam que o governo enfrentará forte oposição caso tente fazer tal proibição.

O deputado João Campos (PSDB-GO), presidente da bancada evangélica, diz que a proposta é absurda. "O que motivaria o governo a tomar essa medida? Há alguma reclamação do público? Acho que não. Se há uma brecha na lei, tem que passar pelo Congresso. Somos radicalmente contra", afirma Campos, que também lembra que a lei não pode ser mudada por decreto, portanto caberá aos congressistas impedir a aprovação.

"O governo vai ter uma briga com milhões de religiosos. Essa mudança não passa nunca. A própria Record aluga programa para a Universal", disse o deputado Lincoln Portela (MG), presidente do PR.

Evangélico e membro da Comissão de Ciência e Tecnologia da Câmara, o deputado Silas Câmara (PSB-AM) não acredita na proibição do governo. "O governo só faria isso se quisesse deixar muito claro que seria uma retaliação contra a liberdade religiosa no país. Duvido que vá fazer."

O Ministério das Comunicações negou, em nota, que a proibição do aluguel de horários faça parte da proposta de decreto, mas a Folha afirma que o documento obtido por eles é claro.


com informações da Folha

veja também