Ex-homossexuais sairão às ruas para dar um 'testemunho coletivo' de libertação em Jesus

A 'Marcha da Liberdade' irá reunir ex-homossexuais de todas as partes dos Estados Unidos para testemunharem que foram transformados por Jesus.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Segunda-feira, 30 Abril de 2018 as 9:28

Documentário "Here's My Heart" conta os testemunhos de 12 ex-homossexuais que estarão na Marcha da Liberdade. (Imagem: Facebook)
Documentário "Here's My Heart" conta os testemunhos de 12 ex-homossexuais que estarão na Marcha da Liberdade. (Imagem: Facebook)

Homens e mulheres que deixaram a homossexualidade - incluindo um sobrevivente do tiroteio na boate Pulse, de Orlando - estarão reunidos em Washington, capital do EUA, para participar de um evento no próximo final de semana para proclamar como Jesus Cristo os libertou.

Os participantes de todo o país se reunirão no National Sylvan Theatre, do meio-dia às 15h, no dia 5 de maio para a realização da “Marcha da Liberdade”.

Daren Mehl, presidente do grupo ‘Voice of the Voiceless’, diz que vê o evento como "uma oportunidade para aqueles de que têm uma nova vida com Jesus, se unirem em companheirismo para louvá-Lo pelo amor e graça disponíveis a todos que procuram [e] para testemunhar publicamente a graça da mudança de vida disponível para deixar a identidade LGBT por algo maior”.

Mehl, de 40 anos, é um nativo de Minnesota que se identificou como homossexual por aproximadamente 10 anos. Hoje ele é casado com uma mulher e tem dois filhos. Ele também estará na marcha do próximo sábado.

"Jesus nos instrui a amarmos os outros como amamos a nós mesmos", disse ele quando perguntado sobre o que espera que este evento comunique à comunidade LBGT, muitos dos quais foram feridos pela religião.

"Quando alguém vomita o ódio contra outra pessoa, ela claramente não está operando de acordo com o Espírito Santo", disse Mehl. "É extremamente triste quando isso acontece e eu espero que [os cristãos] que fizeram isso se arrependam e se reconciliem com aqueles que eles machucaram".

Ele disse ao CP que quando encontrou o Evangelho, todo o seu sistema de valores, propósito de vida e crenças sobre quem ele é, mudaram, incluindo sua identidade sexual.

"Jesus me pediu para entregar minha identidade aos Seus pés e entregá-la para uma nova Nele. Eu decidi que o rótulo gay e o estilo de vida não se alinhavam à minha identidade desejada como cristão. Tentando alinhar minhas escolhas de comportamento com minhas A identidade cristã levou anos de luta, e às vezes foi muito dolorosa ", disse ele.

Ele acredita que esta Marcha da Liberdade é necessária para mostrar as muitas vidas que anteriormente eram LGBT, mas que foram transformadas por Jesus e encoraja aqueles que estão lutando com sua sexualidade e estão buscando respostas, muitos dos quais muitas vezes sentem que estão sozinhos.

"Eles não estão sozinhos", enfatizou.

Luis Javier Ruiz, um sobrevivente do massacre de junho de 2016 na boate Pulse em Orlando, Flórida, onde 49 pessoas foram assassinadas por Omar Mateen, no que na época foi o pior tiroteio em massa da história moderna americana, participará da manifestação, no dia 5 de maio.

"Eu deveria ter sido o número 50", escreveu Ruiz em seu perfil do Facebook na sexta-feira.

"Passando por fotos antigas daquela noite na Pulse, uma memória das minhas lutas contra a perversão, bebidas para abafar tudo e ter sexo promíscuo, o que me levou ao HIV. O inimigo me tinha em suas garras e agora, Deus me levou a partir daquele momento e me entregou a Cristo Jesus. Eu cresci para saber que Jesus é o amor em um nível mais profundo".

Ruiz perdeu vários amigos naquela noite.

"Eu deveria ter sido o número 50", ele reiterou, "mas agora eu tenho a chance de viver em relacionamentos e não na religião, não apenas amar a Cristo, mas estar apaixonado por Cristo e compartilhar que Ele é amor. Eu sei quem Eu sou e não sou definido por quem o inimigo diz que eu costumava ser, mas com quem Jesus Cristo diz que eu sou".

Vários preletores e líderes de louvor da ‘Marcha da Liberdade’ são apresentados no filme "Aqui está meu coração: um documentário sobre a entrega à liberdade", que narra as histórias de homens e mulheres que deixaram a homossexualidade e o transgenerismo para uma nova vida em Jesus.

Elizabeth Johnston, que também é conhecida como 'The Activist Mommy' e que tem mais de meio milhão de seguidores no Facebook, será uma das preletoras do evento. Ela disse em um e-mail ao Christian Post na sexta-feira que muitos ativistas LGBT tentaram diminuir as vozes daqueles que deixaram a homossexualidade, porque suas vozes apresentam as mais poderosas refutações ao argumento "os gays nascem assim e não podem mudar".

Johnston acrescentou que a recente proposta legislativa no estado da Califórnia, AB 2943, aprovada pela Assembléia estadual na semana passada e que pretende descrever "esforços de mudança de orientação sexual" como uma "prática comercial ilegal", comprova que os ativistas LGBT querem silenciar qualquer um que não seja totalmente favorável à sua agenda.

"O que eles parecem não perceber é que nenhuma lei jamais silenciará a verdade que atormenta suas consciências todos os dias", disse Johnston.

Ela enfatizou que a Marcha da Liberdade contará com a presença de todos os tipos de pessoas ao redor do mundo que viveram vidas e conheceram a destruição do pecado sexual e a confusão de gênero.

"Eles sabem o que é querer ajuda e liberdade do vazio e dos vícios do estilo de vida confuso em termos de gênero, mas não sabem para onde ir", disse ela, acrescentando que espera que relacionamentos amorosos e significativos sejam construídos. "Mal podemos esperar para ver os frutos dessa manifestação. Quando uma pessoa entrega verdadeiramente sua vida a Jesus Cristo, todas as coisas são renovadas".

veja também