"A fé e a família são o centro de nossas vidas, não o governo", diz Trump

O presidente dos EUA falou sobre a importância da fé na formação da sociedade e valorizou as famílias.

fonte: Guiame, com informações da CBN News

Atualizado: Quarta-feira, 31 Janeiro de 2018 as 12:13

Donald Trump em seu primeiro discurso de União de Estado. (Foto: Epoch Times)
Donald Trump em seu primeiro discurso de União de Estado. (Foto: Epoch Times)

Em seu primeiro discurso do Estado da União em uma sessão conjunta do Congresso na última terça-feira à noite (30), o presidente Donald Trump falou sobre o ano passado e sua visão de tornar a América grande novamente.

"Passou-se menos de um ano desde que fiquei neste pódio nesta câmara majestosa, para falar em nome do povo americano - e para resolver suas preocupações, suas esperanças e seus sonhos. Naquela noite, nossa nova administração já tinha tomado uma ação rápida. Uma nova onda de otimismo já estava varrendo nossa terra", disse Trump.

"A cada dia desde então, fomos para a frente com uma visão clara e uma missão justa - para tornar a América melhor para todos os americanos", disse ele.

Trump teve um momento para reconhecer alguns heróis americanos: o subordinado da Guarda Costeira Ashlee Leppert, o bombeiro David Dahlberg e o deputado Steve Scalise.

Trump também abordou as reduções de impostos.

"Desde as eleições, criamos 2,4 milhões de novos empregos, incluindo 200 mil novos empregos somente na indústria. Após anos de estagnação salarial, estamos finalmente vendo os salários aumentado. As reivindicações de desemprego atingiram o nível dos últimos 45 anos. O desemprego afro-americano está com a taxa mais baixa já registrada e o desemprego hispânico americano também atingiu os níveis mais baixos da história", disse o presidente.
     
Ao examinar sua lista de realizações, Trump destacou o benefício da decisão de não contar mais com o sistema de saúde 'Obamacare'.

"Rejeitamos o núcleo do desastroso Obamacare - o mandato individual já foi", disse o presidente dos EUA.

O 45º presidente dos Estados Unidos também ressaltou a importância do patriotismo e como a fé tem seu papel essencial nesse contexto.

"Sabemos que a fé e a família são o centro da vida americana, não o governo e a burocracia. Nosso lema é 'Em Deus nós confiamos", disse ele.

O presidente também apresentou Preston Sharp, de 12 anos, que recentemente colocou 40 mil bandeiras em túmulos de veteranos.

"Jovens patriotas como Preston nos ensinam sobre o nosso dever cívico como americanos. O respeito de Preston por aqueles que serviram a nossa Nação nos lembra por que saudamos nossa bandeira, por que colocamos nossas mãos em nossos corações pela promessa de fidelidade e por que nós orgulhosamente defendemos o nosso hino nacional", disse ele.

Trump também falou sobre a necessidade contínua de honrar os veteranos militares da América.

"Eu não vou parar até que nossos veteranos sejam devidamente atendidos, o que foi minha promessa para eles desde o início desta ótima jornada", disse ele.


Direitos Humanos Internacionais

O presidente dos EUA também mencionou sua decisão de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel.

"Pouco depois, dezenas de países votaram na Assembléia Geral das Nações Unidas contra o direito soberano da América de fazer esse reconhecimento. Os contribuintes americanos enviam generosamente esses milhões de dólares em ajuda todos os anos", afirmou. "É por isso que, hoje à noite, peço ao Congresso que adote a legislação que ajuda a garantir que os dólares norte-americanos de assistência estrangeira sempre sirvam aos interesses americanos e só sejam destinados aos amigos dos Estados Unidos".

Trump também voltou a criticar o Irã e chamou o sistema de governo do país de ditatorial e corrupto, apoiando a população que se manifestou contra o presidente Hassan Rouhani.

"Quando o povo do Irã se levantou contra os crimes de sua ditadura corrupta, não fiquei em silêncio. A América está com o povo iraniano em sua luta corajosa pela liberdade", disse ele.

Já sobre a Coreia do Norte, o presidente disse que sua administração tem promovido uma campanha de pressão máxima para evitar a imprudência do país no uso mísseis nucleares que poderiam ameaçar outras nações.

Trump contou a história de Otto Warmbier e como ele foi preso e acusado de crimes contra o Estado na Coreia do Norte. Após um julgamento, a ditadura norte-coreana condenou Otto a 15 anos de trabalhos duro, antes de enviá-lo de volta para a América em junho do ano passado - horrivelmente ferido e à beira da morte. O rapaz acabou falecendo poucos dias depois de seu retorno para os EUA.

O presidente então apresentou os pais de Otto, Fred e Cindy Warmbier e prometeu honrar a memória do jovem com a determinação americana.

O presidente também apresentou o Sr. Ji Seong-ho. Seong-ho perdeu as pernas, arrancadas por um trem depois de cair nos trilhos, enquanto tentava roubar comida. Ele percorreu milhares de quilômetros com muletas em toda a China e no Sudeste Asiático em busca de sua liberdade.

"A história de Seong-ho é um testemunho do anseio de toda alma humana que busca viver em liberdade", disse ele.

 

veja também