Filme de Hollywood surpreende ao apresentar um ateu benevolente

Filme de Hollywood surpreende ao apresentar um ateu benevolente

Atualizado: Segunda-feira, 4 Julho de 2011 as 11:11

Por ter a convicção de que há um único mundo, este, de chão poeirento e de asfalto, o suicídio é para o ateu, em tese,  mais dramático do que para um crente, que acredita que a morte o levará a outra vida, no paraíso ou no  inferno.

Essa é uma questão que perpassa um filme que acaba de ser lançado nos Estados Unidos, The Ledge, com ingredientes de um thriller, como suspense, paixão, infidelidade, ciúme e vingança. A moral de um ateu versus a de um religioso fundamentalista incrementam essa fórmula.

O filme começa com o protagonista Favin, interpretado por Charlie Hunnam, na beirada de um edifício com o propósito de se matar. Por uma janela, o policial Hollis (Terrence Howard) tenta convencê-lo a sair dali. É quando começa a se desenrolar o enredo da história, por intermédio do relato do protagonista e do dialogo entre ele e o policial.

Gavin se apaixonou por Shana (Liv Tyler), que é a mulher de um novo vizinho, e ela por ele. O marido é Joe (Patrick Wilson), um cristão fundamentalista. O ateu tenta libertar Shana daquela paixão proibida e do ciúme do Joe, mas os amantes acabam se envolvendo cada vez mais. Gavin conclui que a solução seria o seu suicídio. Se ele o comete ou não, só se ficará sabendo ao final do filme. Quem já assistiu The Ledge, diz que o seu desfecho é imprevisível.

Talvez o mais imprevisível mesmo seja o próprio filme, que apresenta por um ângulo benevolente um protagonista declaradamente ateu. O “bandido” do filme é o cristão extremado, mas não menos humano, obviamente. Trata-se de uma abordagem até então inexplorada por Hollywood.

Gavin é um personagem simpático, alegre e que tem compaixão pelas pessoas sofridas – traços de uma personalidade os quais em outro filme seriam de um religioso bondoso e tolerante, um seguidor, talvez, de dom Helder Câmara, para citar um exemplo brasileiro.

A blogueira que se assina como Greta Christina, uma conhecida ateia americana, disse que o filme não é perfeito, mas ela o recomenda a ateus e crentes. "The Ledge é inteligente, instigante, complexo, emocionalmente envolvente e visualmente lindo”, escreveu.

O filme foi escrito e dirigido por Matthew Chapman, bisneto de Charles Darwin, o pai da teoria da evolução das espécies.   

veja também