Forte divulgação marca projeto contra violência doméstica na Bahia

Forte divulgação marca projeto contra violência doméstica na Bahia

Atualizado: Segunda-feira, 30 Agosto de 2010 as 11:38

Na tarde do sábado, dia 28 de agosto, os três mil adventistas de Eunápolis resolveram quebrar o silêncio ampliando a campanha de conscientização contra a violência à criança e à mulher para toda a sociedade. A divulgação publicitária, através de panfletos, cartazes, outdoors, carros de som e rádios locais, atraiu o grande público composto, em sua maioria, por mulheres, ao maior auditório universitário da cidade.  Este auditório fica próximo a um dos bairros mais carentes da cidade, onde o índice de agressão ao indefeso é maior que a média geral da população.

As mulheres e crianças presentes puderam ser orientadas por profissionais sobre como se proteger em caso de agressões físicas, morais e verbais. Um dos palestrantes, João Neto, promotor de Justiça de Eunápolis, elogiou o trabalho da igreja mencionando que “um evento como este se constitui num instrumento previsto pela lei 11.340/2006 para apoiá-la nos seus intentos de conscientização da sociedade.” O delegado de polícia, Milton Oliveira, foi claro em dar um conselho ao público jovem de como escapar das possíveis agressões familiares futuras: “Não casem cedo”, disse ele, ressaltando que a maior parte das violências contra os indefesos são oriundas de lares que não tiveram tempo o suficiente de estruturar-se. A psicóloga Marília Martins “abriu o olho” do público feminino ao apresentar com detalhes a importância dos aspectos psicológicos da violência contra a mulher.

Além das palestras apresentadas numa forma descontraída de mesa-redonda, o advogado Robson Darós e o delegado de polícia Fabio Lago, juntamente com os demais especialistas no assunto, tiraram as dúvidas dos participantes que não se reservaram em fazer perguntas.

A campanha “Quebrando o Silêncio”, versão 2010, de Eunápolis, apenas começou neste encontro de auditório. As principais rádios locais transmitiram o evento ao vivo, deixando clara à população a possibilidade de procurar as igrejas e órgãos legais da cidade para buscar mais informações e ajuda. No final, além de terem sido fornecidos os contatos de todas as pessoas presentes que tinham o potencial de ajudar, foi apresentada uma equipe de coordenadoras regionais atuantes dentro da cidade a quem os possíveis agredidos poderiam procurar posteriormente para buscar ajuda.  

veja também