Fotógrafo da Portas Abertas visita o Paquistão

Fotógrafo da Portas Abertas visita o Paquistão

Atualizado: Quinta-feira, 16 Setembro de 2010 as 9:16

Um fotógrafo da Portas Abertas está viajando pelo Paquistão para reportar sobre o desastre da inundação. As circunstâncias são difíceis e ameaçadoras. "Eu tive que viajar à noite para a área afetada e só poderia permanecer lá por algumas horas. Tive de voltar para uma cidade segura antes de haver rumores sobre um estrangeiro na região. "

O fotógrafo visitou duas aldeias. "Claro que eu tinha ouvido histórias sobre os cristãos sendo negligenciados durante a operação de socorro do governo e organizações islâmicas. No primeiro povoado esta era uma dura realidade. A vila ainda estava inundada com pessoas acampadas em terrenos altos. Os muçulmanos estavam em tendas agradáveis e firmes. Os cristãos foram situados a poucas centenas de metros mais abaixo na estrada, com tendas improvisadas feitas de galhos, folhas e grama alta.

O chefe cristão local informou que estavam desolados quando a ajuda muçulmana chegou à aldeia. Tudo o que conseguiram foram sobras. No entanto, quando uma igreja trouxe suprimentos para os cristãos, eles tiveram de compartilhar com os muçulmanos, caso contrário teriam problemas. De acordo com o pastor, a situação é uma triste realidade entre muitas áreas afetadas."

Em outra aldeia, a situação era ligeiramente melhor. "Estes cristãos se ajudavam um pouco, porque conseguiram fixar os elementos da colheita. Orei com cerca de 50 homens locais do país e da aldeia. "

Ainda assim, o fotógrafo sente a tensão em todos os lugares que visita. "Cinco anos atrás eu estava no país por causa do terremoto que atingiu a Caxemira. Houve muita liberdade para se movimentar. Não há mais. Em vários lugares os moradores me perseguiam. Parece que eles não querem que a Igreja envolvida na ajuda humanitária. Ou, pelo menos, querem manter o silêncio sobre o assunto. Além disso, os cristãos dizem que o Talebã é bastante ativo. Há sempre um risco de os trabalhadores humanitários serem atacados, principalmente os estrangeiros e cristãos .”

Apesar dos perigos, a Portas Abertas trabalha em conjunto com a Igreja paquistanesa para rastrear os cristãos em áreas que são de difícil acesso. Contribuímos com alimentos, medicamentos, cobertores e produtos de outros auxílios. Eles também são levados a abrigos seguros, se necessário. Ore pelos cristãos e os trabalhadores no campo.

Tradução: Carla Priscilla Silva

veja também