Frase ‘Lixo negro vai morrer’ é pichada na frente do apartamento de pastor

Pastor evangélico é ameaçado de morte por vizinho

Atualizado: Sexta-feira, 17 Fevereiro de 2012 as 11:46

Um pastor evangélico e representante comercial, entrou em contato com a equipe do G1 SE para revelar que está sofrendo preconceito racial dentro do condomínio, localizado no bairro Aruana, na zona sul deAracaju, em que reside há um ano. Wallace conta que se assustou no domingo (12) quando acordou e viu a parede externa do seu apartamento pichada com tinta preta com a frase ‘Lixo negro vai morrer’.


O morador, que é subsíndico do condomínio, se sentiu ameaçado e registrou a ocorrência na 4ª Delegacia Metropolitana de Aracaju. “Não é a primeira vez que isso ocorre, em junho de 2011 ele me fez acusações infundadas. Ele também é suspeito de arranhar meu carro”, explica.

De acordo com ele, a perseguição teria começado na época que o condomínio estava na fase de eleger os novos síndicos. “Fui convidado para compor uma chapa e ele tentou montar outra para concorrer com a nossa, mas todos que estavam interessados acabaram desistindo por problemas pessoais. Nossa chapa foi eleita e ele começou a me agredir. Ele não aceita que eu seja subsíndico porque sou negro”, recorda.


Em junho, o vizinho suspeito de pixar a parede registrou na ata do condomínio que seu carro foi arranhado e acusou o pastor de ser o autor. “Ele me acusou e disse que eu tenho um caráter ruim. Conversei com ele e relevei a situação, mas ele continuou me perseguindo”.


Após ser surpreendido com a pichação na frente do seu apartamento, o subsíndico observou que o responsável pela ação deixou pistas. “Ele não chegou ao meu apartamento que fica no quarto andar de elevador, porque as câmeras de segurança não registraram a sua presença durante a madrugada. Ele subiu pelas escadas. Segui as marcas da tinta deixadas desde a entrada do meu apartamento, passando pelas escadas e seguindo até a porta do apartamento dele. Tem marcas da mesma tinta na porta e maçaneta”, .


O pastor conta que ficou muito constrangido com a pichação e resolveu processá-lo. “Tenho um filho pequeno e fiquei muito triste com a situação. No domingo ele recebeu uns amigos da mesma faixa etária e todos ficaram assustados com a situação e perguntaram quem fez isso. Foi muito humilhante e vou tomar uma providência”, garante.


Um morador do condomínio que preferiu não ser identificado, reforçou a versão do subsíndico e disse que o rapaz suspeito de pintar a parede sempre provoca conflitos entre os moradores do condomínio e sempre se apresenta como policial civil.


O delegado Jeferson Alvarenga, da 4ª Delegacia Metropolitana de Aracaju, disse que o suspeito da agressão e ameaça não é policial. "O pastor registrou Boletim de Ocorrência e uma equipe da perícia já foi até o local para averiguação. Um pedido de intimação foi expedido para o suspeito e a audiência foi marcada. Todos os procedimentos estão sendo realizados para solucionar o caso".

 

Com informações do G1

veja também