Frente a frente com o perigo

Frente a frente com o perigo

Atualizado: Segunda-feira, 4 Junho de 2012 as 9:32

“E aconteceu depois destas coisas que a mulher de Potifar pôs os seus olhos em José, e disse: Deita-te comigo. Porém ele recusou, e disse à mulher de Potifar: Eis que o meu senhor não sabe do que há em casa comigo, e entregou em minha mão tudo o que tem; Ninguém há maior do que eu nesta casa, e nenhuma coisa me vedou, senão a ti, porquanto tu és sua mulher; como pois faria eu tamanha maldade, e pecaria contra Deus? E aconteceu que, falando ela cada dia a José, e não lhe dando ele ouvidos, para deitar-se com ela, e estar com ela, sucedeu num certo dia que ele veio a casa para fazer seu serviço; e nenhum dos da casa estava ali; E ela lhe pegou pela sua roupa, dizendo: Deita-te comigo. E ele deixou a sua roupa na mão dela, e fugiu, e saiu para fora.” (Gn 39:7-12)

Queridos irmãos e irmãs, quantos de nós nos encontramos diversas vezes em situações parecidas a de José naquele dia? Para nós seria mais confortável ficar e encarar o perigo ou fugir como fez José?

Quero levar-lhes a seguinte reflexão, qual tem sido nossa postura diante das investidas e armadilhas do inimigo?

Por diversas vezes passamos por maus bocados, situações de perigo iminente e ficamos sem respostas, sem saída ou até mesmo sem ação!

José naquela situação poderia ter ficado e confiado em sua própria força e autoconfiança, não poderia? Ele poderia ter cedido à tentação e ninguém saberia de nada não é mesmo? É nesse ponto da história de José que quero enfatizar os seguintes aspectos: Devemos fugir da aparência do mal. Isso quer dizer que, nós não podemos confiar nas nossas próprias forças ou em nossa sabedoria e conhecimento. Toda vez que estivermos sendo tentados, ou passando por situações que com certeza desagradariam a Deus devemos fazer como José e fugir do mal.

Devemos agir como verdadeiros servos do Senhor. José foi com certeza um exemplo de servo fiel a Deus. Ele fala que não faria tamanha maldade e pecaria contra o Deus a quem ele servia. Com essas palavras, ele fugiu da mulher de Potifar.

Devemos confiar na soberania de Deus. José em nenhum momento confiouem si. Ele não queria se mostrar forte, ou dono de toda verdade e conhecimento das escrituras, ele simplesmente fugiu. Apenas isso. Não importa o que lhe aconteceu depois, naquele momento ele confiou no Deus soberano que nos livra de todo mal e não tentou enfrentar a tentação.

Na situação de José, qual seria sua atitude? De cara com o perigo, o que você faria? Ficaria e tentaria a sorte ou fugiria? José fugiu. Isso mesmo, fugiu da aparência do mal.

Não importa quanto seja bonito aquele rapaz ou aquela moça, o quanto seja irresistível dar aquela saída com os amigos, beber e curtir a noite a fora, fugir sempre é a melhor opção. Não se envergonhe por ser cristão, pois Cristo não se envergonhou de morrer por você, de levar todos os seus pecados naquela cruz, sendo coroado com uma coroa de espinhos e tendo as mãos e pés pregados.

“Bem-aventurado o homem que suporta a tentação; porque, quando for provado, receberá a coroa da vida, a qual o Senhor tem prometido aos que o amam.” (Tg 1:12)

Quando se sentir desamparado e em meio ao perigo, confie em Deus, Ele sempre estará ao seu lado lhe sustentando e dando forças para vencer as tentações!

Que Deus nos ajude e que possamos nos colocar cada vez mais na presença dele, aguardando sua volta.
 

Diego Barros - membro da IAP em Piedade (RJ)

veja também