Furacão Ida: Desastres naturais não são castigo de Deus, afirma líder anglicano

Furacão Ida: Desastres naturais não são castigo de Deus, afirma líder anglicano

Atualizado: Quarta-feira, 11 Novembro de 2009 as 12

Ao se reportar ao rastro de morte deixado pelo furacão Ida, que atingiu a América Central no sábado com ventos de 145 quilômetros por hora, o primaz da Igreja Anglicana da Região Central da América (Iarca), Martín Barahonda, alertou que os desastres não são naturais e não são um castigo de Deus. "Esses fenômenos reiteram que devemos revisar nossos sistemas de prevenção", disse.

Barahonda solidarizou-se com as vítimas nos países atingidos pelo fenômeno. "Estamos orando pelas famílias e em comunicação com outras instituições e igrejas irmãs, em nível nacional, regional e internacional, para planejar a nossa ação nesse momento emergencial", informou.

Pelo menos 140 pessoas morreram e outras 60 desapareceram na passagem do Ida pela Nicarágua. Em El Salvador, o número de mortos chegava, ontem, a 124 pessoas, 60 desaparecidas e centenas de feridas.

As principais vias de acesso de El Salvador estão bloqueadas, torres de eletricidade jazem no chão, o vento danificou cinco pontes e arrasou plantações.

Na avaliação de Barahonda, o Ida foi o fenômeno natural que mais danificou El Salvador neste ano, aumentando ainda mais os problemas sociais e econômicos que o país enfrenta. "Rogamos a Deus da vida por nossas famílias e comunidades", pediu o primaz.

Escrito por: Susana Barrera

San Salvador, segunda-feira, 9 de novembro de 2009

veja também