Futuro pastor, mineiro tem transe mediúnico em avaliação

Futuro pastor, mineiro tem transe mediúnico em avaliação

Atualizado: Segunda-feira, 5 Abril de 2010 as 12

No title Em reportagem do site do jornal Extra/Globo, intitulada "Centenário de Chico Xavier: um médium sem sucessores", espíritas falam sobre o legado de Chico Xavier. Entre eles, o escritor mineiro Robson Pinheiro. Na reportagem, o companheiro de Pinheiro, Marcos Antônio Leão, conta que o escritor quase se tornou pastor de uma igreja pentecostal, mas na data da apresentação da defesa de um tema bíblico a uma banca de pastores foi tomado por espíritos.

Leia trecho da reportagem:

Mineiro enfrenta resistência

O mineiro Robson Pinheiro, de 47 anos, quase se tornou pastor numa igreja pentecostal mineira. Não fosse um transe mediúnico, durante a defesa de um tema bíblico para um banca de pastores, ele não teria descoberto que tinha o dom de ver e ouvir espíritos, e psicografar o que eles lhe diziam.

- O Robson era evangélico, e, para se tornar pastor, tinha que apresentar a defesa de um tema para a banca. Ele começou a apresentação, mas, no meio dela, a voz mudou e o espírito de Joseph Gleber (um dos mentores espirituais de Robson) começou a falar através dele - conta Marcos Antônio Leão, companheiro de Robson, que está viajando, e um dos fundadores da Casa dos Espíritos, editora que publica os 26 livros psicografados pelo médium Chico Xavier.

No chão da igreja

Durante o transe, os espíritos teriam feito Robson escrever no chão da igreja o caminho para que o então jovem de 17 anos descobrisse sua missão.

- Eles escreveram que o Robson tinha cumprido uma etapa da educação dele, mas que era hora de procurar um centro espírita, ler os livros de (Allan) Kardec e cumprir a segunda - diz Marcos Antônio.

Robson Pinheiro, que muitas vezes foi a Uberaba para pedir conselhos a Chico Xavier, está entre os médiuns mais conhecidos do país na atualidade. Mas enfrenta resistência por tratar de temas considerados polêmicos no meio espírita.

Um dos livros mais famosos psicografados pelo médium é "Tambores de Angola". Na obra, ao narrar a história de um personagem, o espírito Ângelo Inácio traça um paralelo entre a umbanda e o espiritismo - assunto considerado tabu entre muitos seguidores da doutrina espírita.

- O Ângelo ditou esse livro ao Robson, que estava de cama, num dia. Levamos o material escrito para o Chico e ele disse: "Meu filho, lance este livro fora do país". Lançamos aqui mesmo e , no meio espírita, isso causou muito rebuliço - lembra Marcos Antônio.

Em outra obra, o espírito Franklin conta sua experiência como soropositivo:

- Na época, o Robson não sabia nada sobre psicografia e procuramos o Chico. Ele disse: "Publique o livro, porque o tema é interessante. Eu conheço o Franklin. Ele é meu amigo".

veja também