Globo e evangélicos: Eu tiro o chapéu!

Globo e evangélicos: Eu tiro o chapéu!

Atualizado: Sexta-feira, 14 Dezembro de 2012 as 1:20

 

“Para quem você tira o chapéu” é um dos quadros do programa Raul Gil, em que o mesmo apresenta a um convidado várias fotos de personagens, dentre políticos, humoristas, atores, atrizes, jogadores, apresentadores, etc., ocultos dentro de um chapéu. A cada personagem revelado a esse convidado, lhe é perguntado se tira o chapéu para ele ou para ela, e por quê?
 
Sirvo-me da memória desse quadro para dizer que Tiro o chapéu para a Rede Globo de Televisão pela abertura que está dando aos cantores gospel e a outros representantes dos evangélicos desse nosso amado Brasil. E falando desse país, há que se ressaltar o fato de que é um país “laico”, ou seja, o Estado não interfere nos assuntos de religião, nem a religião, em qualquer forma de manifestação, interfere nos assuntos do Estado. Assegurado por nossa carta magna, a Constituição, é garantido o livre exercício da fé independentemente da opção religiosa de cada pessoa. 
 
Durante muito tempo, os evangélicos se ressentiam dessa falta de abertura da Globo, acusando-a de parcialidade privilegiando uns em detrimento de outros, nesse quesito. Esse cenário era entendido como uma forma de preconceito ou de discriminação contra os evangélicos. 
 
Com a idealização do Festival Promessas, a meu ver, a Globo deu um passo extremamente positivo, numa demonstração de aproximação desse segmento importante e que representa um percentual significativo da sociedade brasileira. Por outro lado, não sou ingênuo e não faço uma leitura unilateral nessa abordagem. Sem sombra de dúvidas há um evidente interesse econômico que permeia o Festival Promessas, posto que, como já pontuei trata-se de um público em potencial com garantia de retorno certo.
 
Se há interesse com viés econômico de um lado, há interesse muito maior, de natureza espiritual, de outro. Faço lembrar aqui as palavras do apóstolo Paulo aos coríntios: Porque uma porta grande e eficaz se me abriu...” ( I Co 16.9 ). Não tenho dúvidas de que essa é uma grande porta aberta nesse nosso tempo, olhando e vislumbrando os interesses do reino de Deus. A esse argumento, acrescento, ainda o que disse Paulo aos filipenses: “Verdade é que também alguns pregam a Cristo por inveja e porfia, mas outros de boa mente; uns por amor, sabendo que fui posto para defesa do evangelho; mas outros, na verdade, anunciam a Cristo por contenção, não puramente, julgando acrescentar aflição às minhas prisões. Mas que importa? Contanto que Cristo seja anunciado de toda a maneira, ou com fingimento, ou em verdade, nisso me regozijo e me regozijarei ainda” ( Fp. 1:15-18 ).
 
A par dessa oportunidade e tendo em vista a dimensão de seu alcance, oro e intercedo no sentido de que todos os que estão e estarão proclamando a Cristo e representando o povo de Deus na mídia, o façam com temor e tremor, não sendo motivo de escândalo em coisa alguma, nem maculando a noiva de Cristo, que é sua igreja comprada pelo seu sangue.
 
Mesmo respeitando a quem pense diferente de mim sobre esse assunto, repito: Eu tiro o chapéu para a Globo, nessa questão! Nisso me regozijo e me regozijarei ainda!
 
 
Gilberto Fernandes Coelho - pastor da Igreja Adventista da Promessa
 
 

veja também