Governador convida a igreja a influir por justiça social no governo

Governador convida a igreja a influir por justiça social no governo

Atualizado: Segunda-feira, 10 Janeiro de 2011 as 8:56

Com a instalação das últimas novas secretarias de Estado nesta sexta-feira, 7 de janeiro, a foto oficial e a primeira reunião com o Pleno do Secretariado, segue o trabalho para pôr em prática o programa de governo aprovado pela maioria do povo do Rio Grande do Sul. E o primeiro governador eleito no primeiro turno na história política gaúcha quer um “debate público permanente” com a sociedade. Na terra onde está a casa da presidenta Dilma, o petista Tarso Genro obviamente não citou igrejas evangélicas em seu discurso de posse, mas basta lembrar um pouco do básico em ciências sociais para saber que elas estão incluídas na convocação para uma união “em torno das causas fundamentais” do Rio Grande: “será um governo de intensa participação social e política das comunidades organizadas, dos movimentos sociais, das entidades empresariais, de todos aqueles agrupamentos sociais que formam, que produzem opinião e que a remetem, as suas demandas, sobre o Estado”, disse Tarso.

Os discursos foram feitos na Assembleia Legislativa (Plenário 20 de Setembro) e, depois, da sacada do Palácio Piratini, na manhã de sábado (1 de janeiro). Segundo o novo e entusiasmado governador, Rio Grande do Sul é “de todos os partidos, de todos os setores da sociedade, de todos os movimentos sociais, de todas as instituições de representação da sociedade civil, de todas as organizações empreendedoras”.

Ainda para a reflexão dos fortes líderes de comunidades cristãs, que, por vezes, não se reconhecem como tal (até porque, infelizmente, dos poucos que percebem tal força de influência, alguns acabam utilizando-a em benefício próprio, para enriquecimento pessoal, ao invés da busca por justiça social e defesa de direitos dos menos favorecidos), o governador enfatizou verbos como “conversar”, “dialogar”. E, dentre os três compromissos fundamentais assumidos, um deles é “desenvolver um sistema de participação popular que vai restaurar o orçamento participativo, que vai valorizar os conselhos e a consulta, que vai criar meios virtuais de participação, inclusive, para que a população possa controlar o Estado, informar-se e também opinar. Vamos criar um cinturão de cidadania, de controle, de discussão, de elaboração política de um processo decisório aberto que nós já criamos aqui a partir do governo Olívio Dutra, em Porto Alegre, e agora temos que aperfeiçoá-lo, modernizá-lo e colocá-lo num patamar novo para abranger cada vez mais pessoas e atingir cada vez mais os pontos mais extremos do nosso território”.

Os dois outros compromissos dão as metas gerais de tal participação: “gerar um desenvolvimento que seja ao mesmo tempo um crescimento econômico do emprego, do trabalho, da inclusão social e educacional” e “desenvolver um sistema de transparência e de combate à corrupção”.

Em detalhes: “Nosso projeto é um projeto humano, social, vital, agregador, que olha a pirâmide social e sabe onde está o seu objetivo. O objetivo é aqueles que estão na base da pirâmide social, que precisam de políticas públicas decentes, que precisam de intervenção regulatória do Estado, que precisam de políticas educacionais e de saúde capazes de promover o bem-estar da nossa comunidade trabalhadora”, explicou o governador.

Num terceiro discurso, agora no interior do Palácio Piratini, Tarso afirmou ser “um integrante responsável de uma rede de construção de um movimento político que tem um compromisso com o futuro do Rio Grande e das futuras gerações”. Para demonstrar fontes de sua inspiração em “sua jornada como governador de todos os gaúchos sem distinção de partido, de ideologia, de religião”, fez citações aos gaúchos Erico Verissimo (“que abriu os olhos de todos nós para o significado do Rio Grande. Que no seu “O Tempo e o Vento” promoveu um auto-reconhecimento do Rio Grande do Sul, que formulou com a sua literatura provavelmente a obra mais profunda da nossa identidade moderna e que nos apresentou o Rio Grande guerreiro, lutador, construído processualmente por muitas contendas, por muitas revoluções e por muitas generosidades e acordos”) e Raymundo Faoro (“tão caro para nós advogados, militantes do direito, mas também um sociólogo e um historiador ainda que sem titulação formal na universidade, doutor de várias universidades. Um porta-voz solitário de um povo excluído, manipulado pelos formalismos de uma democracia já superada, uma velha democracia sem conteúdo”). Também lembrou de Nelson Mandela, “uma representação espiritual, moral e política de um novo projeto democrático da esquerda mundial e da esquerda brasileira que queremos representar aqui no governo do Estado”.

Em seguida, o governador Tarso Genro mencionou novamente igrejas e religião em seu discurso de posse: “Esses três homens inspiraram muitos de nós, ao povo gaúcho, trabalhadores de serviço público, operários de todas as raízes, empreendedores do meu Estado, mulheres e homens do campo e das cidades, cidadãos e cidadãs com capacidades especiais, jovens que lutam para formar-se, que trabalham, pessoas religiosas de todas as confissões e igrejas. Agora eu sou o representante não de uma facção política, mas um governador comprometido com um programa que todos os gaúchos são destinatários. Isso não me torna um ser político neutro, mas me orienta para o diálogo com finalidade, para o debate respeitoso e para consideração das razões do outro como dignas de serem ouvidas, de serem processadas, inclusive de serem incorporadas na própria vida política e vida de gestão de Estado que começaremos agora”.

veja também