Governo diz que o “design de Deus” se opõe à ideologia de gênero, nos EUA

A resolução do governo de Kansas expressa oposição à terapia hormonal e métodos cirúrgicos para 'alterar' o gênero das pessoas.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Segunda-feira, 26 Fevereiro de 2018 as 10:12

O caso de Avery Jackson, que mora no Kansas, ficou conhecido ao ser publicado na revista National Geographic. (Foto: National Geographic).
O caso de Avery Jackson, que mora no Kansas, ficou conhecido ao ser publicado na revista National Geographic. (Foto: National Geographic).

O Partido Republicano no estado do Kansas afirmou que "o design de Deus para o gênero é determinado pelo sexo biológico", e não pela "autopercepção". O comitê estadual do partido aprovou uma resolução sobre a sexualidade humana na convenção republicana do estado durante o fim de semana, que afirma a oposição direta a "todos os esforços para validar a identidade transgênero".

A resolução não só afirma "o design de Deus para o gênero", mas também expressa oposição à terapia hormonal e métodos cirúrgicos para ajudar as pessoas transgêneros a alterar seus corpos para combinar sua "identidade de gênero percebida".

"Isso não é um consenso científico sobre a ética ou a eficácia das tentativas de alinhar a própria biologia com a autopercepção de si mesma, através de medicina experimental e exploratória", afirma o documento.

A resolução também reconhece os direitos dos pais de "orientar a educação de seus filhos" e que "as escolas públicas não devem prejudicar os valores dos pais que não concordam com o transgênero".

A resolução também explica que "os alunos têm uma expectativa razoável de privacidade e segurança na escola". O documento foi proposto pelo membro do comitê do partido, Eric Teetsel, presidente do grupo social conservador sem fins lucrativos Family Policy Alliance of Kansas.

Teetsel, o genro do ex-governador Sam Brownback, também atuou como diretor de divulgação de fé para a campanha presidencial 2018 de Marco Rubio.

"A ideologia que diz que você pode determinar sua própria identidade de gênero é falha e vai levar a muita dor", disse Teetsel em entrevista à Wichita Eagle. "E é por isso que é importante nos ater ao que é verdadeiro e bom".

Como o comitê do partido é composto por cerca de 180 membros, houve algum incentivo por alguns na convenção com a esperança de ver o partido estadual se tornar mais inclusivo. No entanto, Teetsel disse ao jornal que estava "fundado em certos princípios".

"Continuamos a defender certas verdades fundamentais e intemporais sobre a natureza do homem e o que é bom e como devemos funcionar como uma sociedade", disse Teetsel. "E não podemos ficar presos em modas e tendências sobre o que as pessoas podem pensar de nós em uma questão específica".

A resolução começou com a linguagem reconhecendo a dignidade a todos os seres humanos, incluindo "aqueles que se identifican como LGBT". "Em última análise, estamos motivados pelo amor", explicou Teetsel. "É a preocupação com o bem-estar de outros que nos leva a procurar o que é verdadeiro e não apenas para a sociedade, mas para eles pessoalmente".

Mesmo que a plataforma do partido estadual não toque em questões de identidade de gênero, ela tem uma cláusula que exige uma emenda constitucional federal para proteger completamente o casamento como uma união de um homem e uma mulher. "Você volta para a plataforma, é o que eu sempre faço em coisas assim", disse Arnold. "Você volta para o que o Partido Republicano defende? O que nossa plataforma representa?"

A resolução foi contrariada por grupos de advocacia LGBT, como Equality Kansas.

"Este é um ataque barato pelo genro de Sam Brownback e ainda outra tentativa de desumanizar aqueles que não se encaixam na estreita visão mundial de Brownback, sua família e sua ala do Partido Republicano" Equality Kansas publicou no Facebook.

Esta não é a primeira vez que uma resolução no Kansas atraiu a ira da comunidade LGBT. Em 2016, o Senado de Kansas aprovou uma resolução "apoiando a privacidade e a segurança dos estudantes". A resolução veio em resposta a uma orientação do Departamento de Educação da era Obama que encorajou as escolas a permitir que os banheiros de acesso para estudantes transgêneros e os vestiários fossem alinhados com sua identidade de gênero.

veja também