Governo prende 11 cristãos em nova onda de perseguição

Governo prende 11 cristãos em nova onda de perseguição

Atualizado: Sexta-feira, 5 Novembro de 2010 as 3:27

Em 20 de outubro oficiais do governo da Eritreia prenderam 11 cristãos e os levaram para local desconhecido. Oficiais de segurança eritreus sitiaram os cristãos nas cidades de Mendefera, Dekemharre e Dibarwa, cumprindo um mandado de Mustafá Nurhussein, governador das províncias do sul do país, que determinou uma perseguição aos cristãos de suas províncias.

Os oficiais também confiscaram televisores, aparelhos de DVD e outros equipamentos eletrônicos pertencentes aos cristãos.

A maioria dos detidos faz parte da Full Gospel Church (Igreja do Evangelho Pleno, tradução livre), que está entre as denominações cristãs banidas pelo governo daquele país em 2002. A Eritreia só reconhece oficialmente quatro grupos religiosos: o islã, a Igreja Ortodoxa Eritreia, a Igreja Católica Romana e a Igreja Evangélica Luterana da Eritreia. Até membros de grupos cristãos reconhecidos não vêm escapando da perseguição.

Em maio de 2007, oficiais eritreus depuseram Abune Antonios, o patriarca da Igreja Ortodoxa no país, e o confinaram em prisão domiciliar. O patriarca e vários membros daquela igreja ainda são mantidos sob custódia.   

Os agentes do governo comunistas da Eritreia já prenderam mais de 3 mil cristãos, mantendo-os sob condições desumanas, encarcerados em containers de metal, barracas militares e calabouços subterrâneos. Muitos têm morrido pelas torturas e pelos maus tratos nas prisões.   

O representante da ICC na África, Jonathan Racho, afirmou: “É com pesar que recebemos a notícia da detenção de mais 11 cristãos. O governo eritreu continua a maltratar os cristãos de seu país por praticarem a sua fé. Nós solicitamos à Eritreia que  liberte imediatamente estes 11 cristãos e os mais de 3 mil que estão presos ilegalmente. E perguntamos: Onde está o clamor da comunidade internacional contra os abusos sofridos pelos cristãos da Eritreia?”

Tradução: Joel Macedo

veja também