Grandes denominações centralizam seus templos na cidade de São Paulo

SP concentra o maior número de templos evangélicos do país

Atualizado: Quinta-feira, 26 Janeiro de 2012 as 9:50

São Paulo comemora 458 anos como a cidade que  mais possui templos evangélicos do país, com 3 mil igrejas instaladas na cidade e o Estado do Acre está no topo da lista dos Estados brasileiros com maior número de evangélicos pentecostais do Brasil.

De acordo com o Novo Mapa das Religiões publicado em 2011 pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), 10.67% da população da capital frequenta uma igreja evangélica pentecostal e 8.66% frequenta outras igrejas evangélicas. O que representa quase 20%  de evangélicos em relação aos mais de 19 milhões de habitantes da cidade.É na cidade de São Paulo que encontramos grandes templos, como a sede da Igreja Deus é Amor localizada no Parque Dom Pedro II; a sede da Igreja Assembleia de Deus do Brás (Ministério Madureira); no Brás, dois grandes templos da Igreja Universal do Reino de Deus, sendo um em Santo Amaro.

Com isso no Estado do Acre o índice de 24,18% do total, segundo revela o novo Mapa das Religiões elaborado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Em Rio Branco, a proporção é de 28,43% leva o estado a figurar em 1º lugar em numero de evangélicos no país.Os resultados foram formados com base em dados de 2009 da Pesquisa de Orçamento Familiar, do IBGE. Em segundo lugar está o estado de Rondônia com 19,95%, seguido por Pará (19,41%) e Amapá (19,01%). São Paulo ficou em 13º lugar, com 14,62%, e o Rio de Janeiro em 15º, com 14,18%.No ano da pesquisa, os fieis das pentecostais representaram 12,76% da população.

Segundo o pesquisador Marcelo Néri, o responsável pelo mapa, a Assembleia de Deus já é a segunda maior igreja do Brasil, abaixo da Católica. A pesquisa também revelou que as igrejas pentecostais são as que mais têm se expandido no território brasileiro.Os evangélicos — pentecostais e de outras denominações — subiram de 17,9% em 2003 para 20,2% em 2009. Eles são representativos principalmente nas classes D e E, afirmou Néri.

Em 2011, uma pesquisa divulgada por um jornal local, confirmou as constatações da FGV, quando 53,3% dos entrevistados se disseram evangélicos. À época, o deputado Astério Moreira declarou na tribuna, o seguinte: “Agora sabemos que é real, a maioria é evangélica no Acre. Isso significa que nós, evangélicos, representamos uma força política, um mercado consumidor e um contribuinte forte para os cofres públicos, pois todos nós pagamos impostos, o que nos permite cobrar melhores serviços”, afirmou.

 

veja também