Guinchos ou guindaste? - Coluna Rev. Edinei Reolon

Guinchos ou guindaste? - Coluna Rev. Edinei Reolon

Atualizado: Terça-feira, 2 Junho de 2009 as 12

Recentemente, enquanto fazia meus exercícios físicos matinais num parque municipal, observava as grandes construções que rapidamente crescem na cidade. O segmento imobiliário e da construção civil estão a todo vapor. Algo que me chamou a atenção e fez com que atentasse para os detalhes, foi o gigantesco guindaste (grua) se movimentando em uma dessas edificações. A leveza e precisão dos movimentos horizontais e verticais, o  deslocamento de enormes cargas facilitando a vida dos trabalhadores e tornando a construção ágil e eficiente, fazem do guindaste um instrumento indispensável nas grandes edificações. Outro instrumento muito presente no nosso cotidiano é o guincho, geralmente acoplado a caminhões que auxiliam no deslocamento deste indispensável equipamento, principalmente no trânsito caótico que a cada dia experimentamos. O guincho serve para deslocar pesos, na maioria das vezes no sentido horizontal. Geralmente  está no mesmo nível do produto a ser transportado e vem por baixo, arrastando e deslocando aquilo que se quer transportar.

Em nossa vida, constantemente nos deparamos com pesos enormes e difíceis de serem transportados. Vivemos em construção e movimento. Estamos construindo relacionamentos, família, sonhos e projetos. Em determinados momentos os pesos e obstáculos são aparentemente intransponíveis e devem ser removidos para que a obra seja concluída. Nesses casos, recorremos a guindastes ou guinchos? Guindaste geralmente está acima dos níveis da construção, por isso, com facilidade e competência, remove e desloca tudo o que é necessário e que os trabalhadores sozinhos, não conseguirão. Guinchos, por sua vez, estando no mesmo nível, acabam por arrastar, gerando desgastes e nem sempre, alcançando excelentes resultados.

Quando penso nas alternativas apresentadas para alívio das nossas cargas emocionais, relacionais e espirituais, como por exemplo: livros de auto-ajuda, comparo-os com guinchos que, estando no mesmo nível do peso a ser transportado, não são tão eficientes. Por outro lado, quando penso num guindaste, comparo-o com o livro de ajuda-do-Alto, Bíblia Sagrada, capaz de remover pesos enormes que atrapalham a construção da nossa vida. Temos em Deus, um guindaste de proporções gigantescas que está disponível, acima do nosso último andar, pronto para remover cada obstáculo, transportando todo material necessário para que concluamos a boa obra que Ele mesmo começou em nós. A decisão é nossa. Vamos recorrer a este Deus, confiando no Seu Poder e Graça, entregando a Ele nossos fardos e dificuldades ou deixaremos que sejamos arrastados por situações que guinchos não conseguem resolver?

Jesus Cristo, percebendo os entulhos emocionais e o peso dos desafios da construção de uma vida saudável que o ser humano enfrenta, fez um convite irrecusável, "Vinde a mim...". Existem muitos guinchos que deslocam nossos pesos na posição horizontal, simplesmente mudando de lugar e adiando as dificuldades, podemos nomear alguns deles: novo emprego, ganho financeiro extra, novos relacionamentos, amizades interessantes, novas filosofias de vida, religiosidade mecânica, etc. Você já imaginou quanto tempo demoraria e quão difícil seria construir um edifício sem um guindaste? Elevar todo o material de construção, degrau por degrau, descer o entulho, andar por andar, o desgaste físico e emocional seria imensurável. Pois é exatamente isso que acontece com aquelas pessoas que deixam de entregar a construção da vida ao Deus Todo Poderoso. Deixe O Guindaste remover seus pesos e elevar sua vida.

Com carinho, seu pastor (mestre-de-obras)

Edinei B. Reolon

Edinei Beteli Reolon é pastor titular da Igreja Metodista Central em Goiânia (GO), superintendente Distrital de Goiás. Bacharel em Teologia (UMESP) e Administração de Empresas (PUCC). Pós-Graduado em "Especialização em Aconselhamento Pastoral" (UMESP).

veja também