Hernanes, do São Paulo, acredita em dons e em determinação

Hernanes, do São Paulo, acredita em dons e em determinação

Atualizado: Segunda-feira, 8 Março de 2010 as 12

No title Blog do Boleiro - Você acha que não vai mais à Copa do Mundo?

Hernanes - Oche, claro que tenho esperança.

Fazer gols ajudaria você a aparecer mais?

Ô, claro.

A conversa com o volante e meia Hernanes terminou assim neste sábado, véspera da partida contra a Ponte Preta, em Campinas. Isto porque o jogador disse, em uma rápida entrevista coletiva, que tem um objetivo para 2010: "Vou surpreender a mim mesmo".

O que isso quer dizer?

O jogador pernambucano colocou na cabeça que vai fazer gols. Ele quer ser artilheiro. E para isso já vem trabalhando seu posicionamento em campo para ficar perto de onde as chances aparecem. "Para estar no lugar certo onde há perigo de gol", disse. Ele quer também aumentar o índice de assistências.

Para melhorar os números da artilharia, significa aperfeiçoar um fundamento: cabeceio. "Até hoje só marquei um gol de cabeça na carreira, quando eu jogava no Santo André".

O torcedor pode esperar. Porque quando Hernanes coloca alguma na cabeça, ele vai atrás. Se ele hoje joga como se fosse canhoto é que, como nasceu destro, queria seguir os passos do lateral-esquerdo Felipe. De quebra, ele desenvolveu a habilidade de escrever com as duas mãos.

Neste sábado, ele deu autógrafos e, a pedido do Blog do Boleiro, mostrou que a assinatura é praticamente a mesma tanto com a direita quanto com a esquerda. Sem falar que ele assina o nome com o pé direito, mas aí já é exagero.

Ou não. Porque Hernanes acha que o ser humano pode muitas coisas, se estiver determinado a fazê-las. Ele acredita em dons, como todo evangélico fervoroso. Mas sabe que é possível compensar algumas coisas com muita dedicação. Isso vale, muito, para o futebol.

Veja o caso do atacante Ronaldo, do Corinthians. "Ele é privilegiado. Tem uma força descomunal, nasceu com essa capacidade que faz dele um grande jogador", falou Hernanes. Para o são-paulino, craque é o cara que "nasceu com características humanas para jogar futebol que são melhores do que as minhas".

Hernanes não se acha craque. Mas quer ser um. Por isso, vai atrás.

Mesmo que, em alguns momentos, apareça executando uns exercícios  diferentes. Ele já driblou muito poste na rua. Tenta andar pelo CT da Barra Funda com a bola nos pés, sem olhá-la. Faz disputas com o amigo Jean, volante, sobre quem acerta a bola numa janela do almoxarifado do centro de treinamento. De uma distância superior a 30 metros.

Já virou folclore entre os tricolores, quando Hernanes se movia no quarto da concentração às escuras, para desenvolver a visão periférica. Também estudou posicionamento em campo com o pensador Jota Alves, um preparador físico e ex-jogador que desenvolveu um livro que trata do futebol como filosofia.

Hernanes acha que vem fazendo um bom trabalho no futebol. Mas revelou que, quando foi eleito o melhor jogador do Campeonato Brasileiro, em 2008, ficou surpreso. "Não entendi muito porque me escolheram. Meu melhor futebol não tinha aflorado ainda", avalia.

Na atual temporada, ele marcou dois gols até agora. Sabe que é preciso também contar com uma equipe mais eficiente. E tem certeza de que é uma questão de tempo. "Ainda não chegou a hora do time encaixar. Ainda vai acontecer com uma sequência boa de jogos", previu.

Hernanes não contou se conversou com o técnico Ricardo Gomes sobre esta determinação de fazer mais gols e se tornar um artilheiro. Acha que o esquema tático 4-4-2, que o treinador vem tentando implantar no time, vai ajudá-lo neste objetivo. "Posso atacar mais", disse.

Afinal, o atleta pernambucano tem uma visão otimista do futuro. "Me sinto como se estivesse começando a carreira e tenho todo um horizonte para crescer e me desenvolver", falou o jogador que não tirou da cabeça a seleção brasileira e a Copa do Mundo na África do Sul.

Por Luciano Borges

veja também