Heróis da Fé: Edward Jenner, cristão comprometido e descobridor da vacina

Edward Jenner é frequentemente chamado de "o pai da imunologia" por sua descoberta da vacina contra a varíola.

fonte: Guiame, com informações do GOD TV e Britannica

Atualizado: Quinta-feira, 27 Maio de 2021 as 2:47

Pintura retrata o médico Edward Jenner. (Foto: Reprodução / Britannica)
Pintura retrata o médico Edward Jenner. (Foto: Reprodução / Britannica)

Edward Jenner nasceu em 17 de maio de 1749, em Berkeley, Gloucestershire, Inglaterra. Ele era filho de um pastor local e quando tinha apenas cinco anos seu pai morreu. Sua família tinha uma longa tradição de enviar pessoas para a igreja, mas a morte do pai de Jenner deixou a família empobrecida e forçou o jovem a seguir outra carreira.

Com a morte do pai, Jenner foi criado por um irmão mais velho, que também era clérigo.

Desde cedo Jenner teve um grande interesse por ciências e pelo mundo natural. Ele frequentou a escola primária e aos 13 anos foi aprendiz de um cirurgião próximo.

Nos oito anos seguintes, Jenner adquiriu um sólido conhecimento da prática médica e cirúrgica. Ao completar seu aprendizado aos 21 anos, ele foi para Londres e se tornou o pupilo de John Hunter, que estava na equipe do Hospital St. George e foi um dos cirurgiões mais proeminentes de Londres.

Vacina contra a varíola

Além de cirurgião, Jenner foi o descobridor da vacina contra a varíola. Ele nasceu em uma época em que os padrões da prática e da educação médica britânica estavam mudando gradativamente.

Lentamente, a divisão entre os médicos formados em Oxford ou Cambridge e os boticários ou cirurgiões - que eram muito menos educados e que adquiriam seus conhecimentos médicos por meio do aprendizado em vez do trabalho acadêmico - estava se tornando menos nítida, e o trabalho hospitalar estava se tornando muito mais importante .

A reputação de Jenner como um médico atencioso e sábio cresceu entre sua comunidade.

A grande maldição médica da época era uma doença fatal, a varíola. Na Europa, cerca de 400.000 pessoas morriam por ano em decorrência da doença. Normalmente, quando a varíola varria uma aldeia, de 20 a 50 por cento das pessoas infectadas morriam. Um terço dos sobreviventes da varíola ficou cego e muitos outros ficaram com cicatrizes para o resto da vida.

As pessoas estavam tão desesperadas para evitar a varíola, que procuraram ser deliberadamente inoculadas nas feridas de quem tinha uma forma branda da doença, na esperança de que isso lhes desse alguma imunidade. Foi um procedimento arriscado com sucesso limitado: o grande pregador americano Jonathan Edwards morreu em consequência disso. Era uma doença sem cura.

Pintura retrata o médico Edward Jenner em atendimento. (Foto: Reprodução / Britannica)

Ao pensar sobre a varíola, Jenner ponderou o intrigante comentário de uma leiteira: "Nunca terei varíola, pois tive varíola bovina". A varíola bovina era uma infecção leve de animais que poderia ser contraída por humanos com pouco efeito prejudicial. Jenner concluiu que deve haver a possibilidade de que a varíola possa ser evitada inoculando pessoas com varíola bovina.

No entanto, como cientista, ele sabia que, para ter algum valor, qualquer experimento precisava ser conduzido com cuidado. Quando um surto de varíola bovina ocorreu localmente, Jenner inoculou deliberadamente um jovem cavalariço com ele. O menino sofreu apenas efeitos leves e quando, alguns meses depois, foi vacinado com varíola, não conseguiu pegar a doença muito mais séria. Encorajado, Jenner persistiu com mais inoculações e, em 1797, enviou uma breve comunicação à Royal Society descrevendo seus resultados. Seu artigo foi rejeitado com o fundamento de que continha apenas 13 amostras. Decepcionado, mas não desanimado, Jenner foi embora e realizou mais trabalhos, eventualmente publicando seus resultados às suas próprias custas.

Jenner chamou seu novo procedimento de vacinação após a palavra latina para vaca, vacca. Apesar da controvérsia, seu método se espalhou rapidamente pela Grã-Bretanha e logo foi adotado em todo o mundo.

Jenner recusou-se a ganhar dinheiro com sua descoberta - ele inoculou os pobres de graça - e, ao encorajar o uso cuidadoso da nova técnica, ele mesmo faliu.

Cristão comprometido

Há muito pouco a dizer sobre o resto da vida de Jenner. Ele continuou como médico e consultor, manteve seu interesse pelo mundo natural e morreu em 1823. Seu antigo adversário, a varíola, sobreviveu a ele, mas não por muito tempo. Cada vez mais confinado a partes remotas do mundo, foi finalmente erradicado em 1980.

Apesar da turbulência da época em que Jenner viveu - as guerras napoleônicas eram violentas - sua fama tornou-se enorme. Ele logo foi considerado um dos homens mais famosos da Europa e homenageado em todos os lugares, até mesmo por Napoleão, que teve todo o seu exército vacinado.

Edward Jenner era um cristão comprometido. Ele era o exemplo de muitos crentes de todas as épocas que demonstram sua fé pela maneira como vivem. Cristão amável, quieto e caloroso, sempre pronto com o versículo bíblico apropriado, Jenner estava ansioso para que sua descoberta fosse usada o mais amplamente possível. Ele estava particularmente preocupado que o louvor não fosse dirigido a ele, mas ao Deus que o havia criado e usado.

Edward morreu em 26 de janeiro de 1823, em Berkeley.

veja também