Heróis da fé: George Whitefield, o pregador do avivamento na Inglaterra

Whitefield foi provavelmente a figura religiosa mais famosa do século 18, com sermões que atraiam multidões.

Fonte: Guiame, com informações do Your Dictionary e Christianity TodayAtualizado: quinta-feira, 4 de novembro de 2021 17:58
George Whitefield. (Foto: Wikimedia Commons)
George Whitefield. (Foto: Wikimedia Commons)

George Whitefield nasceu em 27 de dezembro de 1714, em Gloucester, Gloucestershire, Inglaterra. A estalagem, de que seu pai era proprietário, localizada em um bairro violento, foi o lar de sua infância.

Ele perdeu o seu pai muito cedo, o que o levou a servir mesas desde novo no comércio da família. Durante sua infância, demonstrou interesse pelas artes cênicas e lia peças de teatro incansavelmente, muitas vezes até faltando aula para ensaiar.

Quando ele tinha 12 anos, ele deixou a escola primária para ajudar sua mãe. No entanto, a esperança de uma educação universitária o levou de volta ao seu ex-professor, que continuou sua preparação para a faculdade, e em seu décimo terceiro ano George se matriculou no Pembroke College, Oxford, como servidor.

Suas confissões posteriores de maldade inicial foram provavelmente exageradas, mas podem ser entendidas como pertencentes a este cenário. Seus primeiros arrebatamentos religiosos também pertencem a esses primeiros anos.

Em seus dias de escola e faculdade, Whitefield experimentou um forte despertar religioso que ele chamou de "novo nascimento".

Em Oxford, ele se tornou íntimo dos metodistas Charles e John Wesley e, a convite dos dois irmãos, juntou-se a eles em seu trabalho missionário na colônia da Geórgia em 1738. Ele já era conhecido como um evangelista eloquente.

Aos 22, ele foi ordenado na Catedral de Gloucester e recebeu seu diploma de bacharel em artes em Oxford.

Os jornais o chamavam de "maravilha da época".

Whitefield foi um pregador capaz de comandar milhares em dois continentes por meio do poder absoluto de sua oratória.

Em sua vida, ele pregou pelo menos 18.000 vezes para talvez 10 milhões de ouvintes.

Jovem pregador

Whitefield começou a pregar com grande sucesso. Sua juventude, sua habilidade histriônica, sua bela voz e uma convicção pessoal compulsiva permitiram-lhe manter uma audiência com notável poder.

Ao pregar em Bristol, Bath e Londres, sua popularidade aumentou. Multidões clamavam por ouvi-lo, pois eram as pessoas comuns as mais profundamente afetadas por sua pregação. Aqueles a quem ele não podia alcançar com a convicção de seus pecados, no entanto, foram movidos pelo poder de sua eloquência.

No auge de sua primeira popularidade, Whitefield surpreendeu a todos ao anunciar sua intenção de ir para a Geórgia como missionário.

Em fevereiro de 1738, ele embarcou na primeira de suas sete viagens pelo Atlântico. Sua primeira estada na Geórgia foi breve.

Ele voltou para a Inglaterra para receber as ordens do líder na Igreja da Inglaterra e para coletar dinheiro para construir uma casa órfã para a missão na Geórgia. O dinheiro veio, porque ele tinha amigos influentes entre as classes altas, e filantropia desse tipo era corrente em Londres.

Durante sua estada de dois anos na Inglaterra, o sucesso de Whitefield como pregador aumentou além de todas as expectativas. Ele era quase um fenômeno. Muito em breve, no entanto, as críticas começaram a ser feitas, a princípio por clérigos, por causa do tom calvinista de seus sermões. Quando as igrejas do ministério estabelecido começaram a ser fechadas contra ele, ele foi para os cemitérios e campos; com esta inovação, sua popularidade com as massas aumentou muito. As críticas também. A imprensa deu a ele mais espaço. Na véspera de sua segunda partida para a América, ele era uma figura polêmica de primeira página, o ídolo de milhares e alvo de abusos às vezes indecorosos. A notícia de tudo isso chegou à América antes de sua chegada, dando-lhe a melhor preparação que poderia ter pedido.

Sucesso americano

Depois de mais um breve período na Geórgia, planejando a Casa Órfã, Whitefield teve o maior triunfo de sua vida durante sua turnê de um mês pela Nova Inglaterra. Recebido por ministros e funcionários de colônias e cidades, ele encontrou lojas fechadas e negócios suspensos durante sua estada, milhares de pessoas em seus calcanhares e muitas seguindo-o para a próxima cidade. Não é de admirar que sua cabeça tenha se voltado para tal adulação. Ele tinha apenas 26 anos nessa época, fato muitas vezes esquecido ao fazer seu relato. O sucesso chegara muito cedo.

A visita de Whitefield a Boston durou 10 dias. Encontrado na estrada por um comitê de ministros e conduzido para a cidade, ele encontrou todas as capelas, exceto King's Chapel abertas para ele. Ele pregou em todos eles e também no Common, onde milhares podiam se reunir. O recorde contemporâneo foi estabelecido em superlativos. As palavras de Benjamin Colman são típicas: "admirado e seguido além de qualquer homem que já existiu na América."

A rapidez da aclamação de Whitefield por um tempo desarmou os céticos e silenciou as críticas, mas antes que os 10 dias terminassem, dúvidas mais realistas começaram a ser expressas pelos mais perspicazes. Suas críticas ao ministério estabelecido como "não convertido" geraram as primeiras críticas, embora não incomodassem as multidões que eram como barro em suas mãos. Depois de sua partida, as declarações de vários ministros importantes, e mais tarde ainda os testemunhos do Harvard College e Yale contra ele, forneceram um controle considerável para a admiração irrestrita anterior.

Em 1770, o homem de 55 anos continuou sua viagem de pregação nas colônias como se ainda fosse um jovem itinerante, insistindo: "Prefiro me desgastar do que enferrujar". Ele ignorou os sinais de perigo, em particular os "resfriados" asmáticos que traziam "grande dificuldade" para respirar. Seu último sermão aconteceu no campo, sobre um grande barril.

"Ele estava falando sobre a ineficiência das obras para merecer a salvação", contou um ouvinte para a imprensa, "e de repente gritou em um tom de trovão: 'Obras! Obras! Um homem chega ao céu pelas obras! Eu pensaria logo de subir à lua em uma corda de areia.'"

Na manhã seguinte ele morreu.

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições