Heróis da Fé: Mildred Cable, a missionária que se dedicou a discipular mulheres na China

Ao lado das irmãs Eva e Francesca, Mildred Cable espalhou o Evangelho em solo chinês e investiu em escolas para mulheres.

Fonte: Guiame, com informações do People Pill e BBCAtualizado: quinta-feira, 11 de novembro de 2021 17:56
Pintura da missionária inglesa Mildred Cable. (Foto: Cambridge University Library)
Pintura da missionária inglesa Mildred Cable. (Foto: Cambridge University Library)

Alice Mildred Cable ou Mildred Cable, nasceu em 21 de fevereiro de 1878 em Guildford, Inglaterra. Filha de John Cable, um próspero carpinteiro local, ela decidiu cedo se tornar missionária e estudou farmácia e ciências humanas na Universidade de Londres.

Mildred estava noiva de um homem que também havia declarado sua intenção de se tornar um missionário, mas ele mudou de ideia e disse que não se casaria com ela a menos que ela abandonasse sua ambição. A jovem rompeu o noivado, recusou-se a fazer o exame final para graduar-se e juntou-se à China Inland Mission (CIM) em 1901 de Hudson Taylor ao norte da China para trabalhar sob a supervisão de Eva French (outra missionária) e, em 1910, a irmã mais nova de Eva, Francesca, juntou-se a eles. Juntas, elas formaram um trio notável, cuja amizade durou meio século.

Mildred e as irmãs aprenderam chinês, adotaram roupas locais e se identificaram com a cultura local. Embora envolvidas na pregação e liderança de igrejas, seu trabalho principal era uma escola para meninas. Ansiosas por remediar a forma como as mulheres foram marginalizadas, ensinaram às meninas não apenas o cristianismo, mas também alfabetização, ciências e os clássicos chineses. A escola e seu impacto cresceram rapidamente.

Acreditando que a igreja e o sistema educacional devem ser, em última análise, administrados pelos próprios chineses, o trio trabalhou para desenvolver a liderança local. No início da década de 1920, eles sentiram que isso havia sido alcançado a ponto de buscarem outro ministério.

Novos desafios

Cientes de que a vasta área do oeste da China permanecia em grande parte não alcançada pelos missionários, elas propuseram à CIM que viajassem ao longo da antiga Rota da Seda, nas profundezas da Ásia Central, para evangelizar. Com relutância, a liderança da CIM deu-lhes permissão.

Em 1923, levando uma carroça puxada por uma mula cheia de literatura cristã e acompanhado por alguns apoiadores locais, o trio foi além da Grande Muralha.

Foi o início de quinze anos de viagens notáveis ​​em que o trio fez cinco viagens, cada uma com meses de duração. A região era um desafio: frequentemente sem água, gelada no inverno e cozida no verão. Também era perigosamente instável, com muitas tribos diferentes, muitas vezes governadas por bandidos e milícias.

À medida que viajavam para o oeste, o controle da China diminuiu e eles tiveram que aprender outras línguas. Os poucos europeus anteriores na área eram homens viajando em comboios bem protegidos que optaram por ter apenas contato limitado com a população local. Em contraste, as mulheres viajavam com pouca bagagem e viviam entre as pessoas locais,

Elas pregavam em mercados onde, como mulheres ocidentais, atraíam grandes multidões de curiosos para quem distribuíam Bíblias e porções das Escrituras. Elas conheceram senhores da guerra e governadores locais, com quem compartilharam as boas novas de Jesus.

Movendo-se cada vez mais para o território muçulmano, o trio desenvolveu um ministério particular entre as mulheres. Logo, suas viagens as levaram às fronteiras da China com a Índia, Tibete e Rússia, e em grande parte da área que viajaram, elas foram provavelmente as primeiras missionárias cristãs desde o século VI.

De volta à Inglaterra

Em 1936, com o agravamento da instabilidade, o trio deixou a China pela última vez. Na Grã-Bretanha, elas se tornaram palestrantes, com Mildred dando palestras para a Royal Geographical Society e todas as três mulheres encontrando-se com a realeza.

Sua fama foi ajudada por quase vinte livros escritos por Mildred com a ajuda de Eva French.

Mildred era uma escritora observadora e simpática e seus livros se tornaram enormemente populares, com alguns ainda considerados clássicos da literatura de viagem. Nenhuma delas se aposentou realmente e todas se entregaram ao ministério. Após a Segunda Guerra Mundial, Mildred viajou pelo mundo, falando sobre a missão cristã. Ela morreu em 1952 aos 74 anos, com Eva e Francesca morrendo em 1960.

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições