Hillary Clinton expressou profunda preocupação sobre perseguição religiosa no Irã

Hillary Clinton expressou profunda preocupação sobre perseguição religiosa no Irã

Atualizado: Segunda-feira, 16 Agosto de 2010 as 10:42

A secretária de Estado, Hillary Clinton, expressou “profunda preocupação a respeito da contínua perseguição de comunidades minoritárias religiosas no Irã, pelo governo nacional. “A liberdade de religião é direito de nascimento das pessoas de todas as religiões e crenças em todos os lugares,” declarou Clinton.

O Irã sentenciou sete membros líderes da comunidade de Baha’i, o maior país de minoria religiosa não Muçulmana, a 20 anos de cadeia.Os líderes, que foram detidos e mantidos por, aproximadamente dois anos, sem o devido processo, foram culpados de crimes de espionagem, atividades de propaganda contra a ordem islâmica, e difusão “da corrupção na Terra.”

Um número de organizações de direitos humanos, contudo, alegam que as perseguições e sentenças são atos motivados, politicamente e religiosamente. Eles dizem que as minorias religiosas, especialmente Baha’is, bem como Cristãos e Muçulmanos Sufis, têm sofrido ataques físicos intensificados, perseguições, detenções, e emprisionamento, nos recentes anos.Eles também dizem que o governo continua a impor muitas sentenças de prisão aos proeminentes reformadores da comunidade majoritária Shia, muitos dos quais têm sido processados sob a acusação de “insulto ao Islã,” criticando a República do Islã e materiais publicitários que estão fora dos padrões do Islamismo.

“Isso é um aborto ultrajante da justiça e mais um exemplo de como o regime Iraniano é um bruto violador dos direitos humanos e liberdades religiosas,” comentou Leonard Leo, presidente da Comissão Americana sobre a Liberdade Religiosa Internacional (USCIRF), em relação as sentenças de domingo.

USCIRF é um dos vários grupos que têm apelado para a libertação incondicional dos sete líderes de Baha’i. Em seus comentários, Clinton disse que os Estados Unidos “condenam veemente ” a sentença de domingo como uma violação das obrigações do Irã sob a Convenção Internacional dos Direitos Civil e Político.

Ela também reafirmou o compromisso dos EUA em defender a liberdade religiosa ao redor do mundo – um comprometimento que alguns críticos da administração Obama têm questionado, nos últimos meses. “Nós continuaremos a falar alto contra a injustiça e apelaremos para o governo iraniano o respeito aos direitos fundamentais de todos os seus cidadãos em acordo com as obrigações internacionais,” declarou Clinton.

De acordo com as notícias, advogados dos cinco acusados da Baha’i e duas mulheres estão em processo de interposição de recurso.A cada ano, desde 1999, o Departamento de Estado tem definido o Irã como um “País de Preocupação Peculiar” ou CPC, devido suas violações sistemáticas, contínuas e gritantes da liberdade religiosa.

veja também