"Homossexualidade é uma conduta aprendida", afirma pastor ex-travesti

Homossexualidade é uma conduta aprendida, afirma ex-travesti

Atualizado: Quinta-feira, 5 Julho de 2012 as 10

A proposta do deputado João Campos (PSDB-GO), de derrubar dispositivo do Conselho Federal de Psicologia que proíbe profissionais de atender pacientes gays que desejam mudar sua orientação sexual tem causado polêmica.

Na última semana, uma audiência pública da Câmara dos Deputados, para discutir o projeto entitulado 'cura' dos homossexuis, acabou em bate-boca.

Enquanto alguns especialistas insistem em afirmar que essa mudança é impossível, Joide Miranda é prova de que é, sim, possível.

Hoje Joide tem 47 anos, é pastor, casado há 17 anos e pai de um garoto de 1 ano e 9 meses. Mas quem o conheceu até os 26 anos pode não acreditar no que vê hoje. Aos 12 anos ele assumiu sua homossexualidade, aos 14, virou travesti, aos 21, foi viver uma relação homoafetiva com um italiano. Só aos 26 anos resolveu deixar tudo para trás e hoje garante estar 100% restaurado do homossexualismo.

“A homossexualidade é uma conduta aprendida. Deus restaurou minha identidade e, quando ele faz isso, não há força maligna que faça voltar atrás. A pessoa precisa substituir aqueles desejos, comportamentos, amizades e a forma de falar. Tem que encher a mente com as coisas de Deus. Precisa do esforço da pessoa”, diz ele.

Em entrevista ao iG, Joide Miranda comentou o surgimento das chamadas 'igrejas inclusivas' e frisou a possibilidade de transformação de qualquer homossexual.

Após a conversão, o pastor criou a ABexLGBTT - Associação Brasileira de Ex-LGBTTs, que trabalha apoiando as pessoas que também querem deixar a homossexualidade. "A entidade serve para mostrar a eles que há, sim, uma resposta. Atendo há mais de dez anos essas pessoas e tenho uma metodologia que não sai da Bíblia. Não sou psicólogo, sou um estudioso da Bíblia", detalha.

Leia também:

Frente Evangélica denuncia 'kit gay' disfarçado nas escolas

Discussão sobre a 'cura' de gays vira confusão na Câmara dos Deputados 

Firme no posicionamento de que Deus não cria ninguém homossexual, Joide revela que também acreditava nisso antes, "mas a homossexualidade é uma conduta aprendida. Quando você conhece Deus, percebe que ele é soberano em todas as coisas. Você acha que Deus ia errar justamente no homem a sua imagem e semelhança? Se ele quisesse que eu vivenciasse aquele estado em que estava, tinha me feito com uma vagina", completou.

"Que Deus é esse que faz um homem sentir prazer ao penetrar no ânus de outro homem?", indagou o pastor ao responder a existência de amor em um relacionamento entre dois homens.

Joide Miranda afirma que, de fato, é possível abandonar as práticas homossexuais, "se não fosse, a Bíblia estaria mentindo", expõe. Mas ele explica que o pecado não está 'embaixo' e sim na mente, pois alguns homossexuais deixam de se relacionar, mas se masturbam pensando em pessoas do mesmo sexo, o que continua a ser homossexualismo.

'Jesus é amor, mas é justiça', esse é o argumento do pastor que não aceita a idéia das chamadas 'igrejas inclusivas', que aceitam gays sem que precisem serem transformados e abandonarem as práticas homossexuais. "As pessoas usam a Bíblia para satisfazer a vontade da carne. Elas não querem crucificar a carne, querem viver um cristianismo sem renúncia. O fato de as pessoas andarem com Jesus, falarem dele e abrirem igrejas não quer dizer que elas estão com Jesus", pondera, "Esses pseudopastores fundam essas igrejas dizendo que Jesus é amor, mas ele também é justiça. É mais fácil achar que Jesus é só amor e viver no pecado. A crucificação dói e muitos não querem isso".


com informações do iG

veja também